Siga por e-mail

Seguidores

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Torta de Maçãs dos Duendes


Quando a melancolia estiver presente no ambiente, experimente fazer esta deliciosa torta de maçã. Ela tem o poder de espalhar a alegria e filtrar a negatividade. Consagre esta magia à Grande Arvore da Vida. Outro bom prato para ser servido do Solstício de Inverno.


Ingredientes:

2 xícaras de farinha trigo
½ xícara de aveia
1 xícara de açúcar mascavo
3 colheres (sopa) de glicose de milho
1 xícara de açúcar branco
½ xícara de suco de laranja
½ xícara de água
½ colher (chá) de canela
½ colher (chá) de noz-moscada
¾ de xícara de manteiga
¼ de colher (chá) baunilha
2 maçãs descascadas e cortadas em fatias bem finas
Raspas de casca de 1 laranja


Modo de fazer: Misture a farinha de trigo, a aveia, o açúcar mascavo e a manteiga. Faça uma massa lisa e homogênea, separando e reservando um pouquinho de massa. Num outro recipiente, misture o açúcar branco, a glicose de milho e o suco de laranja já misturado com a água. Leve ao fogo e acrescente a baunilha, a noz-moscada, a canela, as maçãs e misture muito bem. Deixe cozinhar e retire do fogo. Unte a fôrma com manteiga e farinha de trigo e forre-a com a massa. Coloque por cima a massa feita com as maçãs e tampe com a massa reservada, cobrindo tudo muito bem. Asse em forno quente por cerca de 50 minutos.

Brownie dos Gnomos

Uma forma de agradar os gnomos é fazer um brownie encantado. Ele também dá alegria e prosperidade! Faça o seguinte: acenda uma vela verde e faça a saudação dos Gnomos. Coloque uma música medieval animada e prepare seu brownie. Pode ser mistura pronta, se você preferir.
Segue abaixo uma receita clássica:


Ingredientes:


1 tablete de manteiga (100g)
1 barra de chocolate meio-amargo (200g)
3 ovos
1 xícara (chá) de açúcar
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
1 colher (sopa) de fermento
1 barra de chocolate ao leite picado (200g)


Modo de fazer: Derreta os chocolate meio-amargo com a manteiga, em banho-maria. Bata os ovos com o açúcar, junte o chocolate e mexa. Junte a farinha, o fermento e o chocolate ao leite picado. Mexa tudo e asse por 45 minutos. Quando estiver pronto, corte o primeiro pedaço e ofereça para s gnomos junto com um copo de leite, deixando tudo num jardim ou quintal. O restante, pode dividir entre os amigos e a família.

Sabaths


Os oito Sabbats, celebrados a cada ano pelos Bruxos se originam nos antigos rituais que celebravam a passagem do ano de acordo com as estações do ano, épocas de colheita e lactação de animais. Os Sabbats, também conhecidos como a "A Roda do Ano", têm sido celebrados sob formas diferentes por quase todas as culturas no mundo. São conhecidos sob vários nomes e aparecem com freqüência na mitologia.
Os quatro Sabbats principais (ou grandes) correspondem ao antigo ano gaélico e são chamados de Imbolc (Candlemas),
Beltane, Lammas (Lughnassad) e Samhain. Os quatro menores são Ostara (Equinócio de Primavera), Litha (Solstício de Verão),
Mabon (Equinócio do Outono) e Yule (Solstício de Inverno).

Ao contrário da imagem que muitas pessoas têm do Sabbat dos Bruxos, eles não constituem uma ocasião em que as
Bruxas se reúnem para realizar orgias, lançar encantamentos ou preparar poções misteriosas.
A magia raramente é realizada, se é que isso acontece, num Sabbat de Bruxos.
O Sabbat, infelizmente tem sido confundido também com a "Missa Negra" Satânica ou "Sabbat Negro",
sendo esse outro conceito errado que muitas pessoas têm e que é decorrente de séculos de propaganda antipagã da Igreja,
do medo, da ignorância e da imaginação excessiva dos escritores desde a Idade Média. Uma Missa Negra não é um Sabbat de
Bruxos, mas uma prática satânica que parodia o principal ritual do Catolicismo e que inclui supostamente o sacrifício de bebês
não batizados, orgias sexuais pervertidas e a recitação de trás para frente do "Pai Nosso".

Nada disso jamais acontece nos Sabbats dos Bruxos. Não há sacrifícios (humano ou animal), não há o que chamam de
magia negra, não há rituais anticatólicos. Os Sabbats são apenas datas em que os pagãos celebram a vida e tudo que nela existe,
celebram a Natureza, dançam, cantam, deleitam-se com alimentos pagãos e honram as deidades da Religião Antiga
(principalmente a Deusa da Fertilidade e Seu Consorte, o Deus). Em certas tradições wiccan's, a Deusa é adorada nos Sabbats de
Primavera e do Verão, enquanto o Deus é homenageado nos Sabbats do Outono e do Inverno (visível igualmente na representação dentro do coven).

A celebração de cada Sabbat é uma experiência espiritual intensa e sublime que permite aos wiccanos permanecerem em
equilíbrio harmonioso com as forças da Mãe Natureza.

* Data dos Sabbats no Hemisfério Sul

* Samhain 1 de Maio
* Yule 21 a 23 de Junho (Solstício)
* Imbolc 30 de Julho
* Ostara 21 a 23 de Setembro (Equinócio)
* Beltane 31 de Outubro
* Litha 21 a 23 de Dezembro (Solstício)
* Lammas 1 de Fevereiro
* Mabon 21 a 23 de Março (Equinócio)

* Data dos Sabbats no Hemisfério Norte

* Samhain 31 de Outubro
* Yule 21 a 23 de Dezembro (Solstício)
* Imbolc 1 de Fevereiro
* Ostara 21 a 23 de Março (Equinócio)
* Beltane 1 de Maio
* Litha 21 a 23 de Junho (Solstício)
* Lammas 1 de Agosto
* Mabon 21 a 23 de Setembro (Equinócio)

Mabon





Mabon – Dia de ação de graças – 21 de março (HS) 22 de Setembro (HN)

Oração de Mabon

“Quando as folhas caem, e os dias tornam-se frios Quando a Deusa espalha seu manto de terra ao seu redor, Você, Grande Deus do Sol vai navegando para o Oeste, Para as terras do eterno descanso Envolvendo-se na fresca brisa da noite. Mas nesse momento quando as sementes caem e as frutas amadurecem, Nesse momento quando as horas do dia e da noite equilibram-se, E os ventos frios sopram desde o Quadrante Norte. Nesse momento em que o poder da Mãe Natureza aparentemente diminui, Sei que a vida continua, Porque a primeira é impossível sem a segunda colheita, Assim como a vida é impossível sem a morte. Bênçãos sejam derramadas sobre Você, Deus do Sol, enquanto viaja Para as terras do inverno e para os amorosos braços da Deusa”.
Abençoada Deusa de toda a fertilidade, Eu plantei e colhi os frutos de minhas ações, Peço que Você me de o valor Para sempre semear sementes de alegria e Amor no ano vindouro, Desterrando tudo o que é negativo de minha vida. Ensina-me os segredos da existência sabia sobre este planeta Oh Luminosa da Noite!
“Agradecemos á Deusa e ao Deus por este sinal de uma boa colheita, e ao desfrutar dos frutos do meu trabalho, a colheita de nossa vida, peço que nunca esqueçamos daqueles que ainda não são fortunados, para que através de nossa consciência e de nossos pedidos a Ti, Grande Mãe e ao Teu Consorte, O Deus, todos sejamos abençoados, prósperos e plenos das Tuas dádivas”.
Que Assim se Faça e que assim Seja!



 Mabon (pronuncia-se Mêibon) é também conhecido como Equinócio de Outono ou Lar da Colheita ou Festival da Segunda Colheita. Dia sagrado no paganismo, em especial na religião Wicca. Celebrado no dia do equinócio de outono, que corresponde a aproximadamente dia 21 de março no hemisfério Sul e no dia 22 de setembro no hemisfério Norte (as datas dos equinócios podem apresentar uma variação de até 3 dias de acordo com o ano).



SIMBOLISMO

Esse sabbat, que ocorre entre o Primeiro festival da colheita (Lammas - Lughnasadh) e o Ano novo pagão (Samhain - Halloween), marca o início do outono, dia santo pagão de descanso da colheita e comemoração, uma época de agradecimento aos Deuses por tudo o que foi colhido e caçado. É uma época de equilíbrio, onde o dia e a noite têm a mesma duração.
Este é o dia de ação de graças do paganismo. Data onde os pagãos honram o Deus em seu aspecto de semente e a Grande Mãe em seu aspecto de Provedora.
O nome Mabon veio de um deus Celta (também conhecido como Angus), o Deus do Amor. Esta é a ocasião ideal para pedirmos por todos aqueles que amamos, além de todos os que estão doentes ou velhos.




Sobre Mabon
Em mabon dia e noites são iguais ainda exalando o equilíbrio do encontro entre o Deus e a Deusa.Ela está grávida, e Embora impregnada pelo sol ela sabe que, as sombras já começam a querer dominar o dia e o sol está prestes á declinar. O Deus começa a se preparar para a longa viagem que fará ao submundo, viagem esta que fecundará a Terra, e a fertilizará com a sua morte (Samhain)

Mabon é um momento de agradecer, sentarmos com nossos irmãos e relembrarmos as lutas trazidas pelo inverno, o aprendizado vindo com a primavera, e as bênçãos que vieram com o verão e suas colheitas. Neste momento a natureza se prepara para se reciclar , lançando sobre o chão as suas folhas, para dar á terra o alimento necessário para que esta se recomponha para o próximo plantio.

O que mais me chama atenção em Mabon, não é o fato de que esta seja a segunda, e maior colheita da roda do ano.O ponto alto, é que em Mabon, temos o conhecimento da experiência adquirida durante toda a roda que passou, temos a oportunidade de escolhermos os frutos que queremos plantar e colher na nossa próxima roda.Isso significa dizer que, em Mabon definimos o que queremos pro próximo ano, fazemos planos, instituímos metas, e temos poder para fazer a egrégora mágica girar á favor destas metas.

Assim sendo, para aqueles que desejam ter uma magnífica próxima roda, reflitam sobre seus sonhos tracem as estratégias necessárias para que a sua próxima colheita seja farta, em fim, separem de suas vidas as primeiras e melhores sementes e fecundem com elas a terra de seus sonhos, seu ventre e a terra que vc pisa.Afinal dela viemos e para ela retornaremos.





Para Celebrar Mabon.

Celebrar o Equinócio de Outono, não exige muito, como qualquer outro sabbat, deve ser comemorado com muita alegria, pois todos os rituais de amor e prazer são também os rituais que honram a Deusa. Contudo Mabon é um sabbat de fartura, de contemplação, de felicidade.Experimente presentear-se com um brinde magnífico e uma  refeição repleta de amor, de magia. Sinta os sabores do que come, do que bebe, diferencie-os em sua mente enquanto come, agradecendo á grande mãe pela oportunidade, e pela maravilhosa colheita.

Se você participa de um coven ou círculo, reuna-se aos seus, e comemore a dádiva de estarem juntos,e juntos unam suas energias em virtude dos planos de crescimento individuais e coletivos (do coven).

Pra quem não tem a oportunidade de estar com seu coven ou nao tem um circulo/coven com amigos de jornada, vale tudo: uma vasilha com pipocas e bacon, um jantar maravilhoso na beira da praia, acompanhado de um bom vinho, meditar, estar com os deuses, honrá-los com sua alegria e gratidão, estar com pessoas queridas e  além é claro de fazer seus pedidos para a roda seguinte.

Se gosta de trabalhos manuais, toda a espécie de mandalas, amuletos, bordados (quem gosta de magia do tipo "fiandeira"- ponto cruz, bordado manual e etc) e trabalhos com runas é uma ótima pedida, isto é por que este tipo de trabalhos fixam no subconsciente as sementes que selecionamos para a próxima roda. Experimente fazê-lo mentalizando suas metas e as estratégias que traçou para si mesmo.






COSTUMES E TRADIÇÕES
É tradição reunir os amigos para um jantar, a fim de celebrar a fartura e comemorar as conquistas.
Também é costume retirar um tempo para dar uma atenção à sua casa, como consertar objetos estragados, restabelecer os estoques ou simplesmente fazer uma faxina. É comum em algumas tradições realizar uma bênção na casa no dia de Mabon.
Também é a época de agradecer, meditar e fazer uma introspecção.
As noites já começaram a ficar mais longas, desde o Solstício de Verão; aproxima-se a época da partida do Deus para a Terra do Verão, deixando a sua própria semente no ventre da Deusa, de onde renascerá (mantendo o eterno ciclo do nascer-morrer-renascer).

Nesse dia sagrado, os Bruxos dedicam-se novamente à Arte, sendo realizadas cerimônias de iniciação pela Alta Sacerdotiza e pelos Sacerdotes dos Covens. Muitas tradições wiccanas realizam um rito especial para a descida da deusa Perséfone ao Submundo, como parte da celebração do Equinócio do Outono. De acordo com o mito antigo, no dia do Equinócio de Outono, Hades (o deus grego do Submundo) encontrou-se com Perséfone, que colhia flores. Ficou tão encantado com sua beleza jovem que, instantaneamente, se apaixonou por ela, Agarrou-a, raptou-a e levou-a em sua carruagem para a escuridão do seu reino a fim de governar eternamente ao seu lado como sua imortal Rainha do Submundo. A deusa Deméter procurou, por todos os lugares, sua filha levada à força, e, não a encontrando, seu sofrimento foi tão intenso que as flores e as árvores murcharam e morreram. Os grandes deuses do Olimpo negociaram o retorno de Perséfone; porém, enquanto ela estava com Hades, foi enganada e comeu uma pequena semente de romã, tendo, então, que passar metade de cada ano com Hades no Submundo, por toda a eternidade.







Correspondência de Mabon 

Cores: marrom, verde, amarelo, vermelho.

Nome alternativos: Equinócio de Outono, Encontro do Inverno, Winter Finding, Alban Elfed, Colheita do Vinho, Cornucópia, Festa de Avalon, Segunda Colheita.

Deuses: do vinho e colheita.

Ervas: alecrim, calêndula, sálvia, noz, folhas e cascas, visco, açafrão, camomila, folhas de amêndoa, rosa, girassol, trigo, folhas de carvalho, maçã seca ou sementes de maçã.

Pedras: âmbar, peridoto, diamante, ouro, citrino, topázio amarelo, olho-de-gato, aventurina.
Plantas e frutos: Flores de acácia, benjoim, madressilva, malmequer, mirra, folhas e cascas de carvalho.
Comidas típicas: Maçãs, nozes, castanhas, amêndoas, milho, amoras pretas, jabuticabas, cravo, além de pães, tortas e outros pratos feitos a partir dos frutos da estação.

Bebidas típicas: Vinhos, cervejas, sidras, além de sucos e outras bebidas preparadas a partir dos frutos da estação (em especial a maçã).

Os alimentos pagãos tradicionais do Sabbat do Equinócio do Outono são os produtos do milho e do trigo, pães, nozes, vegetais, maçãs, raízes (cenouras, cebolas, batatas, etc.), cidra e romãs (para abençoar a jornada de Perséfone ao tenebroso reino do Submundo).


Incensos: cravo, patchouli, mirra, maçã, benjoim e sálvia.





Atividades: 



• Fazer uma cornucópia da prosperidade. 

• Fazer bonecas mágicas de maçã. 

• Andar pelos campos para agradecer a generosidade da Deusa. 

• Fazer grinaldas e oferecer à Natureza como sinal de agradecimento. 

• Fazer vassouras mágicas. 

• Fazer amuletos. 

• Confeccionar uma Rainha da colheita (kern baby). 

• Encher uma tigela com frutas e folhas e oferecer aos Deuses. 

• Encher uma cesta com cones de pinheiros, folhas secas coloridas, trigo, bolotas e ramos de pinheiro e deixar na sua porta de entrada para atrair boa sorte. 

• Colocar espigas de milho na sua porta de entrada. 



Comidas e Bebidas Sagradas: abóboras, todos os tipos de grãos, pães, bolos, todos os tipos de raízes, batatas, nozes, sidra com canela, vinho. 






Bonecas Mágicas 

As maçãs são sagrados símbolos da Bruxaria. Nossa terra santa, Avalon, significa Terra da maçã ou Ilha das maçãs. Fatie uma maçã ao meio e verá que suas sementes revelam a forma sagrada do Pentagrama, o símbolo da Bruxaria. 

Para fazer as bonecas mágicas você vai precisar de: 

• Duas maçãs grandes, uma para Mabon e uma para Modron (Deusa Celtíca); 

• Dois lápis; 

• Dois palitos de churrasco; 

• Uma faca; 

• Um prato. 


Descasque as maçãs. Talhe, desenhe uma face em cada uma das maçãs. Finque as maçãs nos palitos de churrasco e deixe-as em pé para secarem em algum lugar seguro. 

Faça então bonecas com elas usando trigo e ervas secas para os cabelos. Vista-as com batas feitas de pano. Enquanto faz as bonecas, peça à Deusa que elas sejam carregadas com luz e poder. 

Na sua celebração de Mabon, consagre-as em seu ritual, pedindo que elas possam servir de protetoras para o seu lar e que tragam sorte para você e sua família. 

Pendure-as numa corda ou grinalda de Mabon e coloque-as em algum lugar em sua casa. 

(Caso ocorra das maçãs mucharem rápido, der de oferenda aos espíritos da floresta colocando-as em um pé de árvore, caso não aguarde enquanto durarem)



Fazendo uma Rainha da Colheita (kern baby) 


A Rainha da Colheita, era feita do último dia da colheita e construída pelos ceifeiros enquanto proclamavam: “Nós temos a Kern!” 

Na Escócia era chamada de a “Virgem do Último Feixe da Colheita” e era cortada pela garota mais jovem da aldeia. 

Fazer uma Rainha da Colheita é uma das práticas de Mabon. 

Para isso você vai precisar de: 


• Ramos de trigo; 

• Fitas multicoloridas; 

• Um pedaço de pano branco; 

• Um bastão; 

• Barbante; 

Pegue os ramos de trigo e divida-o em três partes. A primeira parte será a cabeça e as outras duas serão os braços do boneco. Para isso cruze duas partes dos ramos de trigo, em posições opostas, amarrando a parte separada na posição vertical, formando uma cruz. Amarre com o barbante para que fiquem firmes e não se soltem. 

Com o pano branco faça uma bata e vista o seu boneco de feixe. Decore a bata branca com as fitas coloridas, elas representam a Primavera, o outro ponto de equilíbrio existente na Roda do Ano que chegará nos próximos seis meses vindouros. 

Pendure sua Rainha da Colheita no bastão, que é o símbolo fálico da fertilidade. Ou coloque-a em seu altar.

Então, na sua cerimônia de Mabon, peça que ela se torne um símbolo de abundância e fartura. 

Depois, pendure-a acima da porta de entrada de sua casa. É típico a boneca de Lammas.





Bebida Mágica de Mabon 

A bebida mágica de Mabon consiste de: 

• Sidra de maçã quente; 

• Canela; 

• Pequenas rodelas de maçã. 

Essa bebida sagrada tem um significado profundo. A maçã rege o coração, a sidra representa o eu, por si só já é uma poção de amor. Mas quando misturada com canela, que é governada pelo Sol, representa a essência solar e, ao ingerirmos esta bebida, é como se estivéssemos ingerindo a própria luz do Sol. 






Ritual de Mabon 


Material necessário: 

• Grãos de todos os tipos; 

• Caldeirão; 

• Folhas secas; 

• 13 fitas de cores diferentes; 

• um galho de madeira; 

• três velas marrons; 

• cálice com vinho. 


Procedimento: Faça um triângulo com o vértice para cima usando as velas marrons e coloque o seu Caldeirão no meio dele. Trace o Círculo e diga: 


A Roda do Ano mais uma vez gira. 

Este é o Sabbat da Segunda colheita. 

A Senhora da Abundância e o Deus da fatura abençoam o mundo com os seus grãos. 

Abençoada seja a Fartura da Terra! 


Acenda as velas. Pegue as fitas e amarre-as em uma das extremidades do galho. A cada fita amarrada, faça um desejo. Quando tiver amarrado todas as fitas, eleve o galho dizendo:

Hoje, luz e escuridão são iguais. 


A partir de agora o Deus retornará ao ventre da Mãe. 

Esta é a Dança eterna da vida e da morte. 

Que a Roda gire mais uma vez e que a Senhora e o Senhor abençoem o mundo. 


Coloque o galho no Caldeirão. Espalhe os grãos e folhas pelo seu altar enquanto diz: 



Pedimos que a Deusa e o Deus cuidem da Terra com sabedoria e bondade para que as colheitas prossigam com pão e vida para todos. 

Damos graças aos Deuses pela abundância. 

Que a Deusa nos guie pelos dias escuros, até que a Criança da Promessa renasça para trazer alegria e felicidade. 


Eleve o cálice e diga: 

Bebo este vinho em homenagem à Senhora da Abundância e ao Deus da Colheita que segue cada vez mais rápido ao País do Verão. Abençoados sejam! 


Cante e dance em homenagem aos Deuses. 
Destrace o Círculo.






RITUAL DE MABON
MATERIAL:
Galhos e folhas secas
Óleo de patchuli
Velas pretas
Trace o círculo, erga o altar. Unte as velas pretas com óleo de patchuli, coloca-as em forma de círculo (representando a Roda do Ano) e disponha os galhos e folhas secas em volta e no chão.
Faça uma homenagem à Deusa e despeça-se do Deus. É hora de se fazer feitiços para afastar pessoas indesejáveis e problemas.
Celebre com frutas e bebidas.
Ao encerrar feche o círculo de proteção
Quando terminar os Sabbaths:
Sempre coma os alimentos que foram consagrados e se possível divida-os entre familiares e pessoas queridas.
Tudo aquilo que for consagrado como velas, ramos de trigos, fitas e outros materiais que não forem utilizados, devem ser distribuídos às pessoas que você goste.
A libação sempre deverá ser feita ao término da realização do Sabbath.
Os resíduos de velas, incensos, assim como água e vinho que sobrarem devem ser depositados em um canteiro com plantas ou flores.
Sempre trace o Círculo Mágico no início dos rituais e desfaça-o ao término dos mesmo

Mabon

 Mabon (pronuncia-se Mêibon) é também conhecido como Equinócio de Outono ou Lar da Colheita ou Festival da Segunda Colheita. Dia sagrado no paganismo, em especial na religião Wicca. Celebrado no dia do equinócio de outono, que corresponde a aproximadamente dia 20 de março no hemisfério Sul e no dia 22 de setembro no hemisfério Norte (as datas dos equinócios podem apresentar uma variação de até 3 dias de acordo com o ano).


SIMBOLISMO
Esse sabbat, que ocorre entre o Primeiro festival da colheita (Lughnasadh) e o Ano novo pagão (Samhain), marca o início do outono, dia santo pagão de descanso da colheita e comemoração, uma época de agradecimento aos Deuses por tudo o que foi colhido e caçado. É uma época de equilíbrio, onde o dia e a noite têm a mesma duração.
Este é o dia de ação de graças do paganismo. Data onde os pagãos honram o Deus em seu aspecto de semente e a Grande Mãe em seu aspecto de Provedora.
O nome Mabon veio de um deus Celta (também conhecido como Angus), o Deus do Amor. Esta é a ocasião ideal para pedirmos por todos aqueles que amamos, além de todos os que estão doentes ou velhos.


COSTUMES E TRADIÇÕES
É tradição reunir os amigos para um jantar, a fim de celebrar a fartura e comemorar as conquistas.
Também é costume retirar um tempo para dar uma atenção à sua casa, como consertar objetos estragados, restabelecer os estoques ou simplesmente fazer uma faxina. É comum em algumas tradições realizar uma bênção na casa no dia de Mabon.
As noites já começaram a ficar mais longas, desde o Solstício de Verão; aproxima-se a época da partida do Deus para a Terra do Verão, deixando a sua própria semente no ventre da Deusa, de onde renascerá (mantendo o eterno ciclo do nascer-morrer-renascer).

Em cada um dos oito sabbats da Roda do Ano na religião Wicca existem correspondências específicas para a composição dos rituais baseadas nos simbolismos de cada época.
Plantas e frutos: Flores de acácia, benjoim, madressilva, malmequer, mirra, folhas e cascas de carvalho.
Comidas típicas: Maçãs, nozes, castanhas, amêndoas, milho, amoras pretas, jabuticabas, cravo, além de pães, tortas e outros pratos feitos a partir dos frutos da estação.
Bebidas típicas: Vinhos, cervejas, sidras, além de sucos e outras bebidas preparadas a partir dos frutos da estação (em especial a maçã).
Incensos: cravo, patchouli, mirra, maçã, benjoim e sálvia.
Cores: marrom, verde, laranja e amarela. (Cores outonais no geral).
Pedras: cornalina, lápis-lázuli, safira e ágata amarela.





Chegou o Outono...
A Roda do Ano gira eternamente... e o calendário Wiccan marca o espírito das estações, em cada um das festividades pagãs que constituem os Sabbats Wiccan.
Mabon, que acontece entre 20 e 23 de março no hemisfério Sul, é o segundo festival das Colheitas, em que se celebra a abundância e a oportunidade de reconhecer e agradecer as preciosas oferendas da Natureza.
Estes festivais pagãos são momentos simbólicos de alinhamento com o poder da Natureza. No caso de Mabon, a inspiração que se recebe do Equinócio de Outono, em que dia e noite têm a mesma duração, é a de recuperar também o equilíbrio dentro da pessoa e nos seus principais projetos de vida.
Aceitar e honrar a nossa história pessoal e ver à nossa frente a porta que se abre para crescer.
Quer tenhamos bem a consciência disso ou não, todos somos feitos de ciclos e todos precisamos de rituais... Quanto melhor nos conhecermos a nós próprios, mais naturalmente podemos encontrar nestes momentos, uma lição e uma inspiração que são sempre pessoais.
O essencial é, em cada um destes momentos, sabermos ainda e sempre, observar a Natureza, a forma como muda, a forma como sempre retorna, entender os seus ciclos e reconhecer que também eles existem e devem ser celebrados dentro de nós. Porque também nós somos - Natureza.



Outono e a Colheita Interior

A alma redime e transfigura tudo porque é espaço divino. Quando você habita plenamente sua solidão e experimenta seus isolamentos extremos e abandono, descobre que em seu centro não há abandono nem vazio, só intimidade e refúgio. Na solidão você se encontra mais próximo da comunhão e da afinidade que em sua vida social ou na multidão. Nesse nível, a memória é a grande amiga da solidão. Quando se envelhece, começa a colheita da memória.Sua personalidade, crenças e função são na realidade uma técnica ou uma estratégia, para atravessar a rotina diária. Quando se está livre de seus próprios medos, e quando se desperta durante a noite, se pode aflorar o conhecimento verdadeiro. Se pode intuir o equilíbrio secreto da alma. Quando se percorre a distância interior até o divino, a distância interior desaparece. Paradoxalmente, a confiança em sua comunhão interior altera drasticamente sua comunhão exterior. Não encontrar comunhão em sua solidão equivale a ter sua esperança exterior permanentemente sedenta e desesperada. No outono de sua vida se colhe sua experiência. É um belo pano de fundo para compreender o envelhecimento. Não é simplesmente um processo no qual seu corpo perde sua postura, força e confiança em si mesmo. Ele também te convida a adquirir consciência do círculo sagrado que envolve sua vida. Dentro do círculo da colheita se pode recorrer á momentos e vivências passadas e reuní-las em seu coração. Na realidade, se aprende a conceber o envelhecimento, não como a morte do corpo, mas como a colheita de sua alma, e verá que este pode ser um tempo de grande força, segurança e confiança. Ao compreender a colheita de sua alma no marco do ciclo sazonal, tem-se uma sensação de serena alegria pela chegada desta época em sua vida. Este momento deve dar-te forças e permitir que te alerte como se revelará a comunhão profunda do mundo de sua alma. O corpo envelhece, se debilita e enferma, mas a alma que o rodeia sempre o protege com grande ternura. É um grande consolo saber que o corpo se encontra dentro da alma. 


Litha


Litha – o ritual do Deus Sol…



Depois de falar de Beltane na semana passada, hoje vou falar do ritual que ocorre no dia 21 de junho (hemisfério norte) que é conhecido como Litha e marca o primeiro dia do verão – é o dia em que o poder da luz se encontra acima da escuridão, garantindo poder e proteção. Celebra-se nesse dia a continuidade da vida – é sem dúvida alguma mais um momento mágico da Natureza ao nosso redor…
Litha (lê-se Líta) ou Solstício de Verão é quando o Sol está em seu ápice e mantém o seu maior brilho e elevação. O meio de verão, como é chamado, é celebrado pelas bruxas e bruxos pela sua abundância e plenitude no ano, trazendo fetilidade à Terra.
Litha é celebrado por volta de 22 de dezembro no hemisfério sul e por volta de 22 de junho no hemisfério norte. É o dia mais longo do ano, mas que também representa o declínio do Deus Sol. A partir deste dia, os dias vão ficando cada vez mais curtos, até chegarem ao ápice da escuridão no solstício de inverno. Por isso é considerado um marco que assinala o início da metade escura do ano, ao contrário do solstício de inverno.
É muito importante dizer que esta é a época em que ocorre o florescimento do carvalho.
O solstício de verão é tanto um festival de fogo que representa o aspecto de Deus quanto um festival da água que representa o aspecto da Deusa.
A Deusa e o Deus estão no êxtase de sua união e vemos a Natureza cheia de frutos e flores belas. É o ápice do amor entre ambos. A Deusa reina como a Rainha do Verão e o Deus aproveita seu auge, pois depois começará o seu declínio até renascer no inverno.
Devemos nos lembrar que a mudança é a essência da vida, pois tudo carrega dentro de si a semente do seu oposto. O Sol está com seu poder no auge, mas aos poucos começa a declinar. Vida e morte fazem parte de todos os aspectos na Natureza e também de nossas vidas.
Litha revela que após a união da Deusa e do Deus em Beltane, O Deus já está adulto, um homem formado, e tornou-se pai (dos grãos) – ele é o grande responsável pela continuidade da vida. Em sua plenitude e felicidade ele traz o calor do verão e a promessa total de fertilização com o sucesso da fertilização do ventre da Deusa.

Nesse momento o Deus, após cumprir a sua função de fertilizador, dá seu último beijo em sua amada e caminha ao país do Verão – utilizando-se o Barco da Morte para morrer em Samhain.
Outros povos também festejavam a abundância do verão com festivais semelhantes: Vestália (Roma), Dia dos Casais (Grécia), Festa de Epona (País de Gales), Thing-Tide (Escandinávia), Alban Heflin (tradição anglo-saxã) ou a Dança do Sol (nativos norte-americanos).
Por causa do solstício, existem os trópicos de Câncer e Capricórnio. No solstício de verão no hemisfério sul, os raios solares incidem perpendicularmente à terra na linha do Trópico de Capricórnio. No solstício de inverno, ocorre a mesma coisa no Trópico de Câncer.

Alguns antigos costumes do Solstício de Verão:
- Na Europa, as celebrações deste sabá foram absorvidas pela festa cristã de São João, cujo nome originou-se da erva usada com fins curativos e mágicos, como proteção ou para proporcionar sonhos e presságios.
- As homenagens aos seres da Natureza ou às divindades naturais também foram substituídas pelas populares e folclóricas festas juninas no Brasil.
- Antigamente, os casamentos eram celebrados em junho para garantir-se a fertilidade, sendo esta uma data muito propícia, embora diferente de Beltane, que era reservada aos ritos de fertilidade e ao Casamento Sagrado das divindades.
- Em Creta, o Ano Novo começava no solstício de verão, marcando o fim da colheita do mel. Para os cretenses, o zumbido das abelhas era a voz da Deusa anunciando a sua regeneração. O touro personificava o Deus e, ritualisticamente, era sacrificado para simbolizar a sua morte e seu renascimento das entranhas da Terra. A lenda do Minotauro representa nada mais nada menos do que a descida simbólica à escuridão, encarando os medos e encontrando os meios da renegeração, ao seguir o fio da vida tecido pela Deusa.





SOLSTÍCIO DE VERÃO ou LITHA

Data: Por volta de 21 de dezembro(HS)/por volta de 21 de junho(HN)
Nomes alternativos: Litha, Feill-Seathain, MidsummerCor: verde, azul e laranja
Símbolos: penas, disco solar, o Sol

                 Deuses: Deuses solares (Mercúrio, Thor, Cernunnos) e Deusas grávidas


Cristais: esmeralda, citrino, jade e aventurina
Alimentos: vegetais frescos e pão de cereais
Bebidas: vinho, leite, suco de laranja, limão e cerveja
Frutas: tropicais como o abacaxi, carambola, banana
Incenso: rosa, olíbano, mirra, pinho e limão.
Esta é a época excelente para nos conectarmos com as energias masculinas que estão em seu ápice, seguindo as velhas tradições.
Neste dia o Sol atingiu sua plenitude, ou seja, o Touro Dourado, o Sol, está em seu zênite. É o dia mais longo do ano. O Deus chega ao ponto máximo de seu poder. É tempo de se render homenagens ao Sol, que fertiliza toda a natureza. Neste dia pode-se fazer todos os tipos de feitiços. Mas não devemos nos esquecer que, embora o Deus esteja em sua plenitude, é nessa hora que ele começa a declinar. Logo ele dará o último beijo em sua amada, a Deusa, e partirá no Barco da Morte, em busca da Terra do Verão. Tudo no universo é cíclico, devemos não só ligarmos à plenitude, mas também aceitar o declínio e a Morte, neste dia, costuma-se fazer um círculo de pedras ou de velas vermelhas.
Queimam-se flores vermelhas ou ervas solares (ex.: Camomila) juntamente com os pedidos no caldeirão.É época também de se colher ervas e fazer amuletos protetores. O corpo e o físico são reverenciados nesta época.

Sugestões para decorações de altar podem incluir maçãs e penas. Direcione suas orações de abundância e prosperidade para Danu, a Deusa Mãe Celta.
Muitos monumentos antigos estão alinhados com o Sol neste momento da Roda do Ano céltica, o mais famoso deles é Stonehenge na Inglaterra.







RITUAL LITHA 

Antes de iniciar o ritual faça um saquinho com uma gaze e dentro dele coloque as ervas lavanda, camomila, erva de são-joão, e verbera. Despeje mentalmente todos seus problemas, aflições, doenças junto com as ervas. Feche a boca do saco com uma fita amarela e coloque-o sobre o altar. No seu altar deve estar o caldeirão, uma vela vermelha (para homenagear a Deusa) e uma vela preta (para homenagear o Deus Cornífero), pentagrama, athame e incenso. Ornamente seu altar com abacaxis, bananas, pão de cereais, penas e flores de girassóis. Se o ritual for ao ar livre, acenda uma fogueira. As fogueiras do verão, são dotadas dos eflúvios da luz e do calor do Sol, que nos dá, por algum tempo, poderes acima dos normais para curar enfermidades que ameaçam a vida do homem.

Trace o círculo de pedras:
1- NORTE -posicione a primeira pedra representando o ESPÍRITO DA PEDRA NORTE. Em seguida ajuste as do LESTE, SUL e OESTE. Apanhe a seguir um barbante branco e reforce o traçado do círculo.
RECITE O CANTO DAS BÊNÇÃOS
O Canto de Benções
Que os poderes do Único
A fonte de toda criação;
Onipresente, onipotente, eterno;
Que a Deusa,
A Dama da Lua;
E o Deus, Caçador Chifrudo do Sol;
Que os poderes dos Espíritos das Pedras, 
Regentes dos reinos elementais;
Que os poderes das estrelas acima da Terra abaixo, Abençoem este lugar, e este tempo, e a mim que convosco estou.

INVOQUE A DEUSA E O DEUS
Invocação ao Deus
Deus brilhante,
Rei dos Deuses,
Senhor do Sol,
Mestre de tudo o que é silvestre e livre;
Pai dos homens e mulheres;
Amante da Deusa Lua e protetor dos Wiccanos:
Compareça, eu peço,
Com seu raio solar de poder
Cá em meu círculo!
Invocação à Deusa
Graciosa Deusa,
Rainha dos Deuses,
Lanterna da noite,
Criadora de tudo o que é silvestre e livre;
Mãe de homens e mulheres;
Amante do Deus Cornudo e protetora de todos os Wiccanos;
Compareça, eu peço,
Com seu raio lunar de poder
Cá em meu círculo!
DE PÉ COM O ATHAME ERGUIDO DIGA:
Eu celebro o ápice do verão com ritos místicos.
Ó Grande Deusa e Deus,
Toda a natureza vibra com suas energias
E a Terra é banhada com calor e vida.
Este é o momento de esquecer problemas passados;
Agora é hora da purificação.
Ó ígneo Sol,
Queime o que é inútil,
O que machuca,
O mal,
Com seu poder onipotente.
Purifique-nos!
Apanhe o o seu sachê com ervas e pedidos e acenda-o na vela vermelha do altar, ou então jogue-o na fogueira. Enquanto queima diga:
Eu os elimino pelos poderes da Deusa e do Deus!
Eu os elimino pelos poderes do Sol, da Lua e das Estrelas!
Eu os elimino pelos poderes da Terra, do Ar, do Fogo e da Água!
Visualize todas as dores e sofrimentos serem queimadas pela fogueira e irem embora da sua vida. Diga então:
Ó Graciosa Deusa, Ó Gracioso Deus,
Nesta noite mágica de meio verão
Peço que carreguem a minha vida com alegria
Ajudem-me a comungar com as energias
Suspensas no ar encantado da noite.
Eu agradeço!
Faça uma parada para refletir. Sinta a energia da Natureza fluir através de você. Visualize a luz dourada divina entrando pelo seu chakra coronário e invadir todo seu corpo. Conecte-se com a Deusa e o Deus. Permaneça refletindo por uns 10 minutos, depois inicie a celebração de seu banquete.

Este Festival é ideal para prática de qualquer tipo de magia, curas, magias de amor e proteção são especialmente indicadas. Não se esqueça de pular sobre o fogo da fogueira para purificar-se e renovar as energias.







RITUAL DE LITHA

(realizado durante o dia)

MATERIAL:
Flores solares (gira-sóis)
Incenso de uma erva solar.
Faça o círculo, erga o altar e o adorne com flores e queime o incenso. Este ritual deve ser realizado ao ar livre à luz do sol e deve-se fazer uma homenagem ao Deus em seu aspecto solar e à Deusa em seu aspecto de natureza. Pode-se fazer qualquer tipo de feitiço neste dia.
Deve-se servir frutas e vegetais frescos.
Não esqueça de fechar o círculo depois que encerrar o ritual.
Os dias e as noites do solstício de verão estão repletos de grande poder e magia. É quando Pã e todos os tipos de fadas e elfos andam correndo soltos por toda parte. É tempo de viagens, festas ao ar livre e muita diversão.
MABON – SOLSTÍCIO DE INVERNO
Data: por volta de 21 de março(HS)/por volta de 21 de setembro(HN)
Nomes alternativos: Mabon, Colheitas dos vinhos, Banquete de Avalon.
Cor: laranja, vermelho, marrom, verde e amarelo
Símbolo: maçã, abóbora, cornucópia
Deuses: da colheita, Deuses Velhos e principalmente Mabon, o Deus Celta do amor
Cristais: ágata, lápis-lazúli, safira, cornalina
Alimentos: derivados de milho, trigo e todos os tipos de raízes e sementes como cenouras, batatas e nozes
Bebidas: vinhos e sucos de frutas
Frutas: maçãs e romãs
Incenso: benjoim, mirra e salvo.
No Panteão Celta, Mabon, também conhecido como Angus, era o Deus do Amor. Nesta noite devemos pedir harmonia no amor e proteção para as pessoas que amamos. Esta é segunda colheita do ano. O Altar deve ser enfeitado com as sementes que renascerão na primavera. O Chão deve ser forrado com 
folhas secas.
É tempo de tristeza para a Deusa, pois breve o Deus deixará o mundo físico, mergulhando então na escuridão. As folhas começam a cair, o dia não tem mais tanta luminosidade e a natureza prepara-se para o inverno. Inicia-se o período negro do ano. É tempo de meditação sobre a morte. Toda bruxa sabe que a morte, nada mais é , que o fim de um ciclo e início de outro. É exatamente por isso, que comemora-se os Sabbaths: reverenciando a morte e regozijando a vida. Mas, apesar de ter conhecimento de tudo, a Deusa está amargurada e sua tristeza é retratada no aspecto sombrio que adquirem os dias de outono.

Também é o Festival em que se pede pelas pessoas doentes e mais idosas que precisam de nossa ajuda e de homenagear nossas antepassadas femininas (nossas vózinhas bruxas), queimando papéis com seus nomes no Caldeirão e lhes dirigindo palavras de gratidão e bênção.



Atividades para Litha ( Solstício de Verão )



Litha é o melhor momento para fazer rituais na praia, ao ar livre, praticar divinação e brincadeiras, assim como cantar em homenagem aos Deuses Antigos, dançar e contar histórias em volta da fogueira.
Essa é a noite do Poder Mágico.

Correspondência de Litha

Cores: laranja, amarelo, verde, azul, branco.
Deuses: todos os Deuses Solares e Deusas da fertilidade.
Ervas: sálvia, menta, basílico, cebolinha, salsa, alecrim, tomilho, hissopo, madressilva, urze vermelha, urze branca, lavanda, samambaia, visco, verbena, musgo, íris, sorveira, carvalho, abeto, pinheiro, sementes de anis, aveleira.
Pedras: rubi, diamante, conchas do mar, quartzo branco, âmbar, citrino, olhos-de-gato, topázio amarelo, turmalina amarela, peridoto, cornalina, calcita.
Atividades: 

Pular uma Fogueira, um Caldeirão com chamas ou uma vela.

Pintar Runas e outros símbolos mágicos em pedaços de madeira, conchas, papel, pedras; consagrá-los e pendurá-los em suas portas e janelas para proteção.

Colher ervas e plantas mágicas nesse dia.

Fazer um Bastão Mágico.
Fazer uma Cruz Solar e pendurá-la no seu jardim ou porta, decorá-la com elementos da Natureza.

Fazer uma Coleira de Bruxa (Witch’s Ladder) que represente a necessidade que você precisa alcançar.

Acender velas, fazer oferendas e libações ao Povo das Fadas.
Pendurar ervas na lareira, sala e cozinha para secarem.

Comidas e Bebidas
Sagradas do Sabbat:

Frutas frescas, vegetais frescos, patê de ervas, pães de cereais, vinho, suco, cerveja e água.

Fazendo um Roda Solar :

A Roda Solar é utilizada desde tempos remotos como símbolos do Sol.
É especialmente feita em Litha para representar o apogeu do Sol e colocada na Natureza como oferenda aos elementais ou pendurada em nossa casa como um amuleto protetor.
Para fazer uma Roda Solar você vai precisar de: ·

Galhos e ramos maleáveis,
Fitas e símbolos mágicos relacionados à proteção.

Entrelace os ramos maleáveis fazendo uma circunferência.
No interior dessa circunferência estabeleça uma linha vertical, utilizando mais galhos e ramos. Faça uma linha horizontal, cruzando a vertical, formando assim uma cruz de braços iguais dentro da circunferência.
Enfeite sua Roda Solar com as fitas e os símbolos escolhidos.
Pendure-a em uma árvore, numa porta ou parede de sua casa, enquanto diz:

Pelo Terra e pelo Ar,
Pelo Fogo e pela Água,
Esta Roda Solar será pendurada.
Que Ela possa me proteger e todo o mal afastar
E que a Deusa e o Deus possam me abençoar.
Pela força e pela Magia e pelos poderes das Graças,
Que assim seja e que assim se faça!