Siga por e-mail

Seguidores

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

O Caldeirão

Caldeirão

Recipiente negro de ferro que representa o útero da Grande Mãe, onde tudo se transforma e de onde tudo nasce. Assim como a vassoura e os gatos pretos, o caldeirão está intimamente relacionado às bruxas de uma forma geral.

No entanto, a ligação das bruxas com o caldeirão é muito mais do que ficção. Na verdade, essa ligação data dos dias antigos da Grécia, do mito de Medéia. Medéia era a bruxa de Colchis, com quem Jasão se casou no curso de sua busca do Pomo de Ouro. Medéia era uma sacerdotisa de Hécate e ela não somente tinha um caldeirão, mas também um coven. De acordo com Robert Graves em seu livro "Mitos Gregos", Medéia era atendida por doze mulheres virgens que a ajudavam em sua terrível trama para matar o rei Pelias com o auxílio de seu caldeirão mágico.

Também na antiga Grã-Bretanha e Irlanda, heróis iam para reinos encantados estranhos do outro mundo para ganharem um caldeirão como prêmio por suas aventuras. Podemos ver que esse costume perdura até hoje no uso de troféus para premiações das mais variadas espécies. A festa que todos os esportistas fazem ao elevar a taça enorme e brilhante no final de um campeonato de futebol nada mais é do que o antigo mito celta do caldeirão vivo nos dias de hoje. E passa tão despercebido pela maioria das pessoas, como muitas outras coisas relacionadas ao Paganismo.

Outra relação do caldeirão com um troféu são as lendas do Santo Graal, que também tem suas origens enraizadas em mitos celtas pré-cristãos. Com a chegada do cristianismo, o caldeirão da inspiração e do renascimento transformou-se no misterioso Santo Graal, que os cavaleiros da Távola Redonda buscavam encontrar e conquistar. No entanto, as bruxas mantiveram a antiga versão pagã do caldeirão, associado à deusa celta Cerridwen.

O caldeirão simboliza toda a Natureza e a Grande Mãe. É o princípio feminino representado por um recipiente; quando sobre três pés, nos lembramos das três faces da Deusa. Os quatro elementos estão intimamente relacionados ao caldeirão também, afinal precisamos do fogo para aquecer, da água para esfriar, das ervas da terra para cozinhar e de seu vapor perfumado que fica no ar.

O caldeirão, em seu uso prático, foi uma grande evolução para a humanidade. O caldeirão de metal tornou-se bem mais eficiente que a panela de barro para esquentar e conservar o calor dos alimentos, além de preparar água quente para os banhos, preparar melhor os alimentos e fazer remédios com ervas. Dessa forma, o caldeirão se tornou um instrumento de Magia intimamente relacionado às mulheres.

O caldeirão é visto como um recipiente de transformações porque pega coisas brutas e as transforma; transforma raízes e plantas em remédios poderosos; transforma alimentos orgânicos em deliciosos cozidos. Da mesma maneira, a mulher transforma uma semente (espermatozoide) em uma criança, e esta é a grande associação do caldeirão com o ventre da Deusa.

O caldeirão pode ser usado para cozinhar, fazer poções, conter bebidas. Também pode ser enchido com água, fogo, flores ou outros itens em épocas específicas do ano ou em determinados rituais. Também pode ser usado como instrumento de divinação.

O caldeirão simboliza o pincípio feminino, representando o útero da Deusa Mãe, de onde vem todas as coisas. Na Wicca é usado pelos wiccanos para queimar papéis com pedidos, agradecimentos e orações ou para fazer fogueiras.

Além disso, o caldeirão também simboliza a vida, pois é nele que se prepara o alimento, e desta associação, originou-se a lenda celta sobre o graal, pois em varias culturas européias fala-se em caldeirões ou "taças" mágicas que geram alimento ou bebida infinitamente.

Tradicionalmente o caldeirão possui três "pés" que representa as três faces da Deusa Tríplice: Donzela, Mãe e Anciã.

O caldeirão está ligado ao elemento Água que denota uma influência psíquica e do inconsciente.O principal instrumento ritualístico utilizado pelos bruxos, ele simboliza desde a antiguidade o útero universal, ou seja, o útero da Grande Mãe, de onde tudo vem e para onde tudo retorna. Na prática é usado para transformar os feitiços através da queima de ervas, papeis, alimentos, líquidos e demais itens.

É normalmente preto e feito de ferro. Seu tamanho varia conforme o praticante optar. Representa no altar o elemento éter aquele que une todos os outros. É comum guardar instrumentos menores no caldeirão para protege-los ou esconde-los.


Caldeirão

image

Falemos do Caldeirão, esse objeto controverso do qual todos os desenhos e filmes já o expuseram como sendo o local adequado para ferver criançinhas. Eu confesso que sempre achei graça dessas cenas: dá pra imaginar uma criança dentro de um caldeirão? Eu juro que não consigo e olha que minha imaginação é bastante fértil. rs

Enfim, o caldeirão é um objeto que representa a Deusa e sua essência: o feminino. É nele que ocorrem as transformações cotidianas, por isso muitos acreditam que é a perfeita representação do Ventre da Deusa de onde tudo vem e para onde tudo volta…

O caldeirão é geralmente o ponto central dos rituais da Arte: durante a primavera é costume encher com água fresca e flores, enquanto no inverno acende-se o fogo sagrado que representa o retorno do Sol (Deus) vindo do caldeirão (Deusa). Tudo isso está diretamente ligado aos mitos agrícolas nos quais o Deus nasce no inverno , atinge a maturidade no verão e morre após a última colheita.

O Caldeirão deve ser feito de ferro e ter três pés. A boca do caldeirão deve ser menor que sua mais parte mais bojuda.

Algumas bruxas possuem vários caldeirões e de diferentes tamanhos: eu mesma tenho dois. Um menor e um outro maior, mas não se preocupem que eu ainda não cozinhei nenhuma criança dentro dele. rsrsrsrs

Falando sério: é no caldeirão que preparamos nossas poções e feitiços (mas não pense em nada fantasioso porque a maior parte dos feitiços consistem em combinações de ervas para alcançar um objetivo prático, também conhecido como simpatia no folclore popular).

Enfim, não tenha pressa em conseguir um caldeirão – este pode ser o último objeto a ser adquirido por você.


2 comentários:

  1. BOM DIA,MEU NOME È MARCIO E SOU UM SEGUIDOR DO BLOG DE VCS.
    BOM AQUI VOU FALAR UM POUCO DE MIM,PARA VCS ME CONHECEREM UM POUCO.
    PRIMEIRAMENTE GOSTEI MUITO DO SEU BLOG E A POSTAGEM SOBRE O CALDEIRÂO.
    DIA 18 FEZ UM MÊS QUE ESTOU ESTUDANDO WICCA,E POSSO DIZER E VC,SE ANTES EU JA ERA APAIXONADO ESTE MUNDO AGORA ENTÂO,MAS AINDA.
    OLHA COMO SÂO AS COISAS,EU ERA DO CANDOMBLÈ FUI INICIADO E TUDO.
    MAS PRA TE FALAR A VERDADE EU ENTREI NO CANDOMBLÈ SEM SABER NADA LEIGO DE TUDO E SEMPRE FOI DÌFICIL EU ME FIRMAR EM UM BARRACÂO,LUGAR ONDE È CULTUADO A RELIGIÂO.
    EU SEMPRE MAS SEMPRE MESMO,FUI FASCINADO POR WICCA,NÂO PODIA PASSAR NESTAS LOJAS MÌSTICAS QUE SEMPRE EU TINHA QUE ENTRAR PARA DAR UMA OLHADA,NA IMAGENS DE MAGOS QUE SOU APAIXONADO E FADAS.ESSE MUNDO SEMPRE ME FASCINOU.
    MAS SÒ HOJE DEI INÌCIO NOS MEUS ESTUDO DENTRO DA WICCA,BOM EM RELAÇÂO AO CANDOMBLÈ NÂO ESTOU AQUI PARA GENERALIZAR E NEM FALAR MAL,MAS EU TIVE UMA VIDA MUITO DIFÌCIL DENTRO DA RELIGIÂO.
    QUANDO SENTI DENTRO DE MIM O CHAMADO PRA WICCA FOI ALGO MUITO FORTE,E ESTÀ SENDO MAIS FORTE A CADA DIA.
    ESTOU FELIZ,POIS SOU UMA PESSOA PREVILEGIADA,POIS TENHO UM CANTINHO PARA MEU ALTAR,TENHO UMA PESSOA MARAVILHOSA AO MEU LADO QUE ME APOIA E JAS FUI ATÈ PRESENTEADO POR ELE COM UMA TRILUNA PARA EU COLOCAR NA PAREDE EM FRENTE AO MEU ALTAR.
    TUDO DENTRO DA WICCA ESTÀ ACONTECENDO RÀPIDO EM MENOS DE UM MÊS CONQUISTEI MEU ALTAR,MEU CALDEIRÂO,MINHA TRILUNA QUE GANHEI DE MEU NAMORADO,E OUTRAS COISAS MAIS.
    ESTOU ESTUDANDO PELA ESCOLA PLÊIADES QUE SE LOCALIZA EM CAMPINAS.
    MINHAS DÙVIDAS SÂO MUITAS,A COMEÇAR PELO CALDEIRÂO,COMO DEVO MANTER ELE NO ALTAR PARA NÂO ENFERRUJAR?
    O USO DELE È DIRETO NO FOGÂO CONVENCIONAL?
    ME DESCUPEM PODE PARECER PERGUNTAS TOLAS.
    COMO DISSE VC EU TAMBÈM NÂO COZINHEI CRIAÇINHAS NELE AINDA RS...
    NA VERDADE VERDADE MEU GENERO È MAIS PRO DO HARRY POTTER...
    UM ABRAÇO.
    ABENÇOADO SEJA SEU DIA.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Tenho meu caldeirão há 24 anos, mas não tem jeito... com todo cuidado ele sempre enferruja um pouquinho. Coloque seu caldeirão sempre no centro do altar, caso tenha que cozinhar, opte por ter um segundo caldeirão só para cozinha, ervas... este deixe para seu urso de rituais. Mas caso não queira comprar um outro... E olha não são perguntas tolas... Tenho um grupo de estudos no facebook se quiser participar, procura pelo meu nome Alana Alencar ou o nome do grupo O Templo Interior da Bruxaria. bjosss

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.