Siga por e-mail

Seguidores

sábado, 3 de março de 2012

Bruxaria tradicional e bruxaria moderna


Há uma grande confusão, entre os leigos, acerca de bruxaria tradicional e moderna. A bruxaria tradicional tem suas raízes nos cultos a deidades pertencentes a determinadas áreas geográficas, que podem datar de períodos pré-históricos, o que pode torná-la em parte irmã ou filha de antigas práticas e cultos xamânicos. Historicamente, o papel social das bruxas tradicionais era basicamente a prestação de auxílio à população: como adivinhas, parteiras, curandeiras, conselheiras ou até mesmo alcoviteiras.
A literatura pré inquisitorial apresenta a bruxa, entretanto, como uma figura cercada de brumas: uma eremita das florestas (imagem das bruxas preservada nos contos de fadas), moradora de ilhas misteriosas (como Circe) ou personagens de quem pouco se esclarece (contos árabes). Poderia curar ou matar através de poções ou filtros e agia em concordância com a moralidade típica da natureza, incompreensível aos não bruxos, no seu entender, indomada, caótica e imprevisível. Entre as artes pelas quais são conhecidas em tais contos estão a necromancia (ou nigromancia), que é o contato com os espíritos dos mortos, elementais, deidades e demais entidades presentes em outros planos da existência, a adivinhação e o conhecimento do potencial das ervas. Poderiam concomitantemente servir como sacerdotisas de algum culto, mas não necessariamente, sobrevivendo à ação do tempo e mudança da mentalidade do povo, e até mesmo à chegada de novas religiões, às quais teriam se adaptado para dar continuidade a esta tradição. Como tal, em tais contos a Bruxaria Tradicional não se definiria necessariamente como religião, mas como tradição circunscrita a um limite geográfico.
Porém, paralelamente às histórias mitológicas e de ficção, algumas poucas linhagens de bruxaria tradicional sobreviveram à inquisição e, como toda associação de pessoas, evoluíram ao longo do tempo. Tenha ou não sido importante às bruxas e bruxos da Antiguidade e da Idade Média, hoje é indubitável que o cerne da bruxaria tradicional é a interação com as deidades, da mesma forma que qualquer religião.
A bruxaria moderna, por outro lado, embora se relacione firmemente com a Bruxaria Tradicional, surge historicamente com Gerald Gardner, com a criação da Wicca no ano 1950 da Era Comum. Apesar de a bruxaria tradicional ter absorvido elementos modernos às suas raízes folclóricas e evoluindo continuamente, seu eixo fundamental é bastante distinto do da bruxaria moderna, pois Gardner não apenas adotou novos elementos, mas tornou alguns destes em bases fundamentais da Wicca, amalgamando-os de forma indissolúvel em um hibridismo com cultos pagãos e conceitos de origem oriental. Agrava-se a confusão entre bruxaria moderna e bruxaria tradicional ao ter se tornado recorrente o uso da expressão "wicca tradicional" para designar aqueles cuja linhagem iniciática remonta a Gerald Gardner
A Bruxaria, sendo caracterizada pela liberdade de pensamento, acaba por apresentar um amplo leque de linhas de pensamento e de vertentes de características bastante distintas, entretanto, alguns elementos em comum podem ser apresentados a fim de que se tenha melhor compreensão do significado da bruxaria. Elencamos dois princípios comuns, em especial, que ao mesmo tempo que ajudam a compreensão, afastam conceitos equivocados calcados em histórias infantis e preconceitos medievais à prática da bruxaria.
  • O Respeito ao Livre-Arbítrio - Nenhum verdadeiro bruxo buscará doutrinar aqueles que têm outro credo. Para os bruxos, a fé só é verdadeira se resulta de escolha individual e espontânea. Nenhum verdadeiro bruxo realizará qualquer tipo de magia no intuito de se beneficiar de algo que prejudicará outra pessoa. Para os bruxos, cada um tem seu próprio desafio a enfrentar. Usar de qualquer subterfúgio para escapar dos desafios que se apresentam é apenas adiar uma luta que terá de ter lugar nesta ou em outras vidas. Adiar problemas é o mesmo que acumulá-los para as próximas encarnações
  • A Comunhão com a Natureza - O verdadeiro bruxo respeita a natureza, e por natureza ele entende absolutamente tudo o que não é feito pelo homem, inclusive os minerais. Quando preserva a natureza, suas preocupações não são a viabilidade da manutenção da vida humana na Terra, o verdadeiro bruxo respeita a natureza simplesmente porque se sente parte dela, porque a ama. Os bruxos não acham que a natureza está à sua disposição. Os homens, os minerais, os vegetais e toda a espécie de animal são apenas colegas de caminhada, nenhum mais ou menos importante que o outro. Ainda assim, matam insetos que lhes incomodam e arrancam mato que cresce nos canteiros de flores sem dramas de consciência. Não são falsos em suas crenças nem românticos idealistas. Acreditam que conflitos fazem parte da natureza


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.