Siga por e-mail

Seguidores

segunda-feira, 26 de março de 2012

CABEÇA DO DRAGÃO CAUDA DO DRAGÃO




O Nodo Lunar fisicamente falando é um ponto equinocial, é o elemento de ligação entre a Terra, a Lua e o caminho aparente do Sol (eclíptica).
É o ponto de encontro entre 3 elementos tão importantes em nosso horóscopo.
O Nodo Lunar permanece em um signo durante 19 meses. Na efeméride temos a posição do Nodo Norte ou Cabeça de dragão; o Sul ou Cauda do dragão, e é colocado na carta (o Sul) em sentido contrário, ou seja, tem o mesmo grau e minutos do Nodo Norte somente está o signo exposto à este.
Na interpretação do horóscopo o Nodo simboliza a ligação entre o presente e o futuro, ele é o ponto de encontro entre as relações de Causa e Efeito. Pelo qual nos guiamos.
Nesse processo de evolução ao qual chamamos vida, o Nodo é a primeira chave, a de como e porque de estarmos aqui, ele é a transição e a mistura destes dois Nodos, é a experiência do que fomos ontem e o descobrimento do que seremos amanhã.
Portanto se analisarmos bem este elemento do horóscopo, podemos obter respostas que nos ajudarão a encontrar nossa verdadeira posição nesta vida, para que possamos desenvolver e evoluir realmente.

Nodo Sul (a Cauda do Dragão)
O Nodo Sul é simbolicamente o passado do homem, é o conjunto de pensamentos, idéias, hábitos, eventos e atitudes, acumulados de outras vivências e não resolvidos, cujos efeitos sentimos na vida atual.
Segundo Martim Shumam: São os modelos de comportamentos profundamente arraigados, encontrados aqui no ponto Zenith do homem, com centenas e milhares de anos de trabalho nele mesmo.
O homem tende a permanecer nos modelos e hábitos passados como numa confortável situação em que tudo lhe é familiar, podendo alterar muito pouco o futuro por estar preso arraigado à fundação daquilo que ele criou.
Para alguns, o Nodo Sul pode limitar-nos, mais para os outros, se a estrutura for firme e forte, traz a vida presente por fruto de muita realização.
O Nodo Sul é o nosso calcanhar de Aquiles, é o nosso ponto vulnerável. Todas as pessoas querem saber sempre mas, raramente param e olham o passado, examinando os efeitos de tudo que criaram e permanecem presos dentro dele. É como que hipnotizadas, permanecem no mesmo molde de comportamento e maneira de viver, que na maioria das vezes, terão que lutar muito para modificá-lo e construir outro tipo de vida.
Nodo Norte (a Cabeça do Dragão)
O Nodo Norte, simboliza o futuro, é a nossa experiência ainda não vivenciada. Para o indivíduo é um novo ciclo que irá viver e carrega por isto as apreensões do desconhecido. Mas o Nodo Norte exerce um fascínio, um magnetismo sedutor, pela vontade que este tem para desvendar o desconhecido. Neste Nodo o indivíduo recebe mais ajuda cósmica, para que possa progredir construindo e criando uma nova meta de vida.
Apesar dos obstáculos, à cada dificuldade que se consegue ultrapassar, é como um trampolim para o crescimento futuro.
Além do Nodo, de tudo que é novo, o homem está sempre descontente com as velhas maneiras e métodos de fazer as coisas e é com grande desejo de descobrir e explorar o mais alto potencial de seu futuro que ele procede e em cada degrau transposto, ele se sente melhor com ele mesmo.
Porém o homem não conseguirá atingir os objetivos da Cabeça do Dragão senão souber desligar-se dos hábitos e comportamentos negativos, adquiridos anteriormente.
O Objetivo do Nodo Norte é elevar-nos e através de uma espiral ascendente atingir a mais alta evolução, buscando Deus.



Os Nodos que usamos comumente são os Nodos Lunares: o Nodo Norte, também chamado de Nodo Ascendente ou Cabeça do Dragão. É o ponto onde a órbita da Lua cruza a Eclíptica de sul para norte; o Nodo Sul, também chamado Nodo Descendente ou Cauda do Dragão, que corresponde ao ponto onde a órbita da Lua cruza a Eclíptica de norte para sul.




Existem algumas questões com relação aos Nodos Lunares que devem ser abordadas. A primeira diz respeito à qual Nodo usar: se o Médio (Mean) ou o Verdadeiro (True). Tradicionalmente o Nodo Médio é o aconselhado, mas vale mencionar que a diferença entre ambas as posições pode chegar, no máximo, a pouco mais que 2 graus.


É curioso que alguns astrólogos e estudantes não configurem seus programas de Astrologia para representarem ambos os Nodos marcando apenas o Nodo Norte. Fazendo isso correm o risco de ignorarem uma conjunção com o Nodo Sul. Como sabemos, em toda e qualquer teoria astrológica a conjunção é sempre o aspecto mais forte. E especialmente quando estamos lidando com um Eixo (como no caso dos Nodos), o que deve ser levado em conta é a conjunção e não a oposição. Assim, a conjunção com um Nodo é importante para determinarmos de que forma o planeta se expressa. O Nodo Norte tem a natureza de Júpiter, portanto exerce uma influência benéfica sobre o planeta envolvido. Já o Nodo Sul tem a natureza de Saturno, é indicador de dificuldades envolvendo a função representada pelo planeta em questão.


Uma outra dúvida freqüente com relação aos Nodos Lunares é quanto à maior importância de sua localização: se por casa ou por signo. Como sabemos, o Ciclo Nodal Médio (período em que o Nodo percorre o zodíaco e volta a sua posição de origem no mapa) é de 18,6 anos e portanto ele permanece num mesmo signo em torno de 1 ano e meio. Mas, em função do movimento de rotação da Terra, todos os dias ele passará por todas as Casas. Assim podemos concluir que é a sua posição por casa no mapa natal que, de fato, particulariza a interpretação. Considerando seu movimento retrógrado (permanente no Nodo Médio) temos que se o Nodo cai próximo de uma cúspide devemos estar atentos pois na verdade ele está se dirigindo para a casa anterior. Quanto mais próximo a uma cúspide devemos investigar com o cliente sobre as casas em que os Nodos podem estar atuando. Aliás podemos nos surpreender com uma atuação em ambas as casas. Segundo Dom Néroman serão nessas áreas que a influência do Céu se fará mais intensa já que ali "o influxo estará mais concentrado e intensificado".


A técnica de Evolutivo de Néroman, o Fatum, dá grande ênfase aos Nodos. Segundo ele, o Dragão (como se refere aos Nodos Lunares) é o grande receptor dos influxos que o Céu emite e que constituem a base de sua teoria. E somente quando há também um envolvimento dos Nodos nos aspectos que o Fatum forma com os planetas natais (ou em trânsito) é que acontece uma transmissão perfeita desses aspectos, sem interferências nesses influxos.


Segundo ele, o Dragão é a resultante de todas as influências às quais nos submete o Céu na nossa condição terrestre.





Também Dane Rudhyar e Alexander Ruperti têm trabalhos interessantes em que dividem o mapa por setores ou zonas a partir dos Nodos e interpretam os planetas levando em conta sua localização nessas áreas.




Temos ainda zodíacos gerados a partir das posições dos Nodos e cada um com uma função específica. O primeiro tem o Nodo Norte como Ascendente, num sistema de Casas Iguais e serve como uma opção, além do Mapa Solar (Sol no Ascendente), para casos em que não se conhece a hora do nascimento.





Há também um Zodíaco Dracônico, desenvolvido pelo argentino Néstor Echarte, e que tem o Nodo Norte como correspondente ao grau 0 de Àries. A partir daí, transformando as posições natais dos planetas para essas novas coordenadas temos um mapa de apoio para a interpretação do Mapa Natal. Esse novo mapa serviria para nos falar sobre fatores inconscientes. Na verdade, este é um zodíaco da Lua, não do Sol.



Cabe aqui também incluir o Mapa do Nodo Sul que nos é apresentado por Robert Jansky, pioneiro no campo da Astrologia Médica. Esse mapa é gerado a partir do Nodo Sul (tomado como o Ascendente), num sistema de Casas Iguais, e que vai tratar exclusivamente de questões de ordem física e da saúde do indivíduo.


Os Nodos são de grande importância nas técnicas de Sinastria. Contatos de planetas de uma pessoa com os Nodos de outra contam como fatores de atração entre as mesmas. Segundo Elói Dumón, os Nodos representam o impulso de nos unirmos aos demais, buscando o companheirismo, o amor à adaptabilidade, ou pelo contrário, a falta de adaptabilidade ou mesmo uma conduta anti-social.



Ainda que possamos ter dificuldades com pessoas do signo onde está a nossa Cauda, há quem já tenha observado que o problema esteja no signo da Cabeça (o que também faz sentido, sendo a Cabeça um ponto menos "familiar", o qual precisamos de um esforço consciente para incorporar). Verificar qual dessas teorias é mais válida é bastante fácil e pode gerar uma pesquisa interessante.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.