Siga por e-mail

Seguidores

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Deusa Ísis, Deus Osíris, Hórus x a Historia de Jesus


Deusa Ísis


A deusa Ísis é uma das principais divindades da mitologia egípcia, embora seu culto transcenda as fronteiras do Egito e se estenda por todo o universo greco-romano, chegando inclusive às terras nas quais atualmente se localiza a Alemanha. Sua veneração parece remontar a pouco tempo após 2500 a.C., à V dinastia egípcia.
isisEla é a primogênita do deus da Terra, Geb, e da divindade que rege o Cosmos, Nut. Seu irmão Osíris se torna seu marido, com o qual ela concebe Hórus, deus do firmamento, inebriado de energia solar. O outro irmão, Seth, responsável pelos desertos, se transforma no principal inimigo do casal.
Seth invejava profundamente a sorte de Osíris, que tinha como missão governar a terra, mais especificamente o Egito, e assim teve a oportunidade de transmitir aos homens conhecimentos preciosos sobre agricultura e o trato com os animais. Segundo a mitologia egípcia, Osíris é traído por Seth, morto e esquartejado por esta divindade que é associada à essência do mal.
Ísis, desesperada, consegue reunir todos os membros do marido, com exceção do genital masculino, trocado por um órgão de ouro. Ela o ressuscita graças aos seus dotes mágicos e ao seu poder da cura. Logo depois eles concebem Hórus, que vai à revanche matando Seth.
Ísis é exatamente assim, zelosa com todos, sejam escravos ou nobres, pecadores ou santos, governantes ou governados, homens ou mulheres. Ela olha por todos com o mesmo empenho protetor, a mesma solicitude, exercitando assim sua natureza radicalmente maternal e fértil.
Por muito tempo esta deusa foi venerada como a representação maior da essência materna e da esposa perfeita, além de velar também pelo reino natural, portanto, por todas as dimensões da existência. Ela era vista igualmente como um símbolo do que há de mais singelo, dos que morrem e daqueles que nascem. Uma mitologia tardia atribui às cheias do Rio Nilo, que ocorriam uma vez por ano, as lágrimas derramadas por Ísis pela perda de seu amado.
Ano após ano a morte e a ressurreição de Osíris foram relembradas em diversos rituais; no Egito preserva-se uma festa denominada a Noite da Lágrima. Ela ocorre em junho, portanto é conhecida como Festival Junino de Lelat-al-Nuktah.
isis2Nesta tradição, mantida pelo povo árabe, revive-se o enlace de Geb e Nut, ou seja, da Terra e do Firmamento, e o surgimento de sua descendência, que inclui Ísis e Osíris, além de seus irmãos, que assim totalizam nove deuses, a famosa Enéada, que teve seu princípio com a Divindade criadora originária.
Juntos, Ísis e Osíris simbolizavam a realeza do Egito. Ela representava o trono no qual despontava o poder real do marido. O culto desta deusa foi de grande importância na Antiguidade, especialmente no Império Romano, no qual ela obteve muitos discípulos. Hoje a arqueologia comprova este fato, e é possível encontrar vestígios de templos e monumentos piramidais em todas as partes de Roma.
Na Grécia este ritual atingiu antigos espaços sagrados em Delos, Delfos e Elêusis, e se desenvolveu particularmente em Atenas. Seus discípulos se espalharam também pelos territórios gauleses, na Espanha, na Arábia Saudita, em Portugal, na Irlanda e na própria Grã-Bretanha.




Deus Osíris

Deus Sol.
Osíris está a associado ao Sol e à Lua. 
Sua vida terrena relacionava-se ao Sol e a sua 
vida após a morte, à Lua.
Durante sua vida terrena, Osíris tomou o poder
 e introduziu diversas reformas, o que gerou a 
inveja do seu irmão Seth. Tal qual no mito grego, Zeus (Osíris) em polaridade com Hades (Seth).
Seth era o deus do Deserto e do Calor. 
Era visto como acompanhante do Sol, seu irmão. Seth estava associado também à Estrela do Cão, considerada responsável pelo calor.
Por esta associação, Seth era representado com a cabeça de cão.
 Mas tinha um lado positivo, era ele quem anunciava a inundação do rio
 Nilo por meio da Estrela do Cão. A cheia do Nilo que acontecia todo o ano,
 tornava as terras do Egito férteis. Por isso, este sinal, era ansiosamente aguardado.
Mas Seth não estava satisfeito em ser a "sombra" do irmão. Ele queria o
 seu trono e para isso, contratou 72 homens para matar o irmão. Após o trabalho,
 Seth tomou finalmente o trono que sempre desejou. O que ele não esperava
 é que Ísis, com a ajuda da irmã Néftis e do deus Thot, conseguiriam ressuscitá-lo.
Osíris, o Deus Sol, demonstrou com isso que nenhuma vida acaba após a morte.
 Pois se até mesmo ele, um deus, que fora morto, ressuscitou, outros também teriam 
esse direito. A exemplo desse mito egípcio, outras religiões também procuraram
 ensinar a ressurreição.


Hórus
Na mitologia egípcia, Hórus (ou Heru-sa-AsetHer'urHrwHr ou Hor-Hekenu)
 é o deus dos céus, muito embora sua concepção tenha ocorrido após a morte
 de Osíris. Hórus era filho de Osíris.
Tinha cabeça de falcão e os olhos representavam o Sol e a Lua. Matou Seth, tanto por vingança pela morte do pai, Osíris, como pela disputa do comando do Egito.
Após derrotar Seth, tornou-se o rei dos vivos no Egito. Perdeu um olho lutando com Seth, que foi substituído por um amuleto de serpente, (que os faraós passaram a usar na frente das coroas), o olho de Hórus, (anteriormente chamado de Olho de Rá, que simbolizava o poder real e foi um dos amuletos mais usados no Egito em todas as épocas. Depois da recuperação, Hórus pôde organizar novos combates que o levaram à vitória decisiva sobre Seth.
O olho que Hórus feriu (o olho esquerdo) é o olho da Lua, o outro é o olho do Sol. Esta é uma explicação dos egípcios para as fases da lua, que seria o olho ferido de Hórus.
Alguns detalhes do personagem foram alterados ou mesclados com outros personagens ao longo das várias dinastias, seitas e religiões egípcias. Por exemplo, quando Heru (Hórus) se funde com Ra O Deus Sol, ele se torna Ra-Horakhty. O olho de Horus egípcio tornou-se um importante símbolo de poder chamado de Wedjat, que além de proporcionar poder afastava o mau-olhado, pois segundo os egípcios os olhos eram os espelhos da alma.

De acordo com uma lenda difundida no Antigo Egito, Hórus foi concebido por Isis, quando Osíris, que era seu pai, já estava morto. A lenda sugere que a fecundação ocorreu quando Isis, na forma de um pássaro, pousou sobre a múmia do esposo, que estava deitado em um sofá.
Uma estrela datada de 1400 a.C. (hoje guardada no Museu do Louvre), contem este hino sobre o tema:
Oh benevolente Ísis
que protegeu o seu irmão Osiris,
que procurou por ele incansavelmente,
que atravessou o país enlutada,
e nunca descansou antes de tê-lo encontrado.
Ela, que lhe proporcionou sombra com suas asas
e lhe deu ar com suas penas,
que se alegrou e levou o seu irmão para casa.
Ela, que reviveu o que, para o deseperançado, estava morto,
que recebeu a sua semente e concebeu um herdeiro,
e que o alimentou na solidão,
enquanto ninguém sabia quem era...



Deus Hórus

horus

Hórus (ou Heru-sa-Aset, Her'ur, Hrw, Hr ou 
Hor-Hekenu) é o deus dos céus.
Muito embora sua concepção tenha ocorrido 

após a morte de Osíris.
Tinha cabeça de falcão e os olhos representavam

 o sol e a lua.
Matou Seth, tanto por vingança pela morte do

 pai, Osíris, como pela disputa do comando do Egito.
Após derrotar Seth, tornou-se o rei dos vivos

 no Egito. Perdeu um olho lutando com Seth,
 que foi substituído por um amuleto de serpente,
 (que os faraós passaram a usar na frente das coroas),
 o olho de Hórus, (anteriormente chamado de Olho
 de Rá, que simbolizava o poder real e foi um dos
 amuletos mais usados no Egito em todas as épocas.
Depois da recuperação, Hórus pôde organizar novos combates que o levaram

 à vitória decisiva sobre Seth.
O olho que Hórus feriu (o olho esquerdo) é o olho da lua, o outro é o olho do sol.
Esta é uma explicação dos egípcios para as fases da lua, que seria o olho ferido de

 Hórus.
Alguns detalhes do personagem foram alterados ou mesclados com outros

 personagens ao longo das várias dinastias, seitas e religiões egípcias.
Por exemplo, quando Heru (Hórus) se funde com Ra, O Deus Sol, 

ele se torna Ra-Horakhty.
Olho de Hórus egípcio tornou-se um importante símbolo de poder.
horus-oog


horus2
Na mitologia do Egito Antigo, Hórus era o deus do céu.
Era representado com o corpo de um homem na cabeça de um falcão.
(animal sagrado entre os egípcios).
Hórus era filho de Isis (deusa do amor) e Osíris (deus da vegetação e da vida no além).
De acordo com a mitologia, Hórus matou Seth (deus da traição, da violência e da inveja) 

para conquistar o domínio sobre o Egito. Porém, na luta, Hórus perdeu 
um olho, substituindo-o por um amuleto de serpente.
Olho de Hórus ou 'Udyat' é um símbolo, proveniente do Egito Antigo,
que significa Proteção e Poder, relacionado à divindade Hórus.
Era um dos mais poderosos e mais usados amuletos no Egito em todas as épocas.
Segundo uma lenda, o olho esquerdo de Hórus simbolizava a Lua e o direito, o Sol.
Durante a luta, o deus Seth arrancou o olho esquerdo de Hórus, o qual foi substituído

 por este amuleto, que não lhe dava visão total, colocando então também uma serpente
 sobre sua cabeça.
Depois da sua recuperação, Hórus pôde organizar novos combates que o levaram à

 vitória decisiva sobre Seth.
Era a união do olho humano com a vista do falcão, animal associado ao deus Hórus.
Era usado, em vida, para afugentar o mau-olhado e, após a morte, contra o infortúnio

 do Além.
Ritual do Dia: Durante os meses de inverno, os Espíritos da Natureza
 normalmente repousam enquanto suas plantas e árvores repousam.
Entretanto, se convidar os que vivem em sua área para sua casa, eles
podem passar os meses de inverno com você, checando suas energias
quando necessário. Eles são amigos maravilhosos tanto para humanos quanto para 

animais. Gostam em particular de crianças pequenas.
Em seu lar vão atrair sua atenção para distúrbios energéticos.


O olho de Horus
Olho de Hórus ou 'Udyat' é um símbolo, proveniente do Egito Antigo, que significa proteção e poder, relacionado à divindade Hórus. Era um dos mais poderosos e mais usados amuletos no Egito em todas as épocas.
Segundo uma lenda, o olho esquerdo de Hórus simbolizava a Lua e o direito, o Sol. Durante a luta, o deus Set arrancou o olho esquerdo de Hórus, o qual foi substituído por este amuleto, que não lhe dava visão total, colocando então também uma serpente sobre sua cabeça. Depois da sua recuperação, Horus pôde organizar novos combates que o levaram à vitória decisiva sobre Set. Era a união do olho humano com a vista do falcão. Era usado, em vida, para afugentar o mau-olhado e, após a morte, contra o infortúnio do Além.
O Olho de Hórus e a serpente simbolizavam poder real, tanto que os faraós passaram a maquiar seus olhos como o Olho de Hórus e a usarem serpentes esculpidas na coroa. Os antigos acreditavam que este símbolo de indestrutibilidade poderia auxiliar no renascimento, em virtude de suas crenças sobre a alma.
O Olho Direito de Hórus representa a informação concreta, factual, controlada pelo hemisfério cerebral esquerdo. Ele lida com as palavras, letras, e os números, e com coisas que são descritíveis em termos de frases ou pensamentos completos. Ele aborda o universo de um modo masculino.
O Olho Esquerdo de Hórus representa a informação estética abstrata, controlada pelo hemisfério direito do cérebro. Lida com pensamentos e sentimentos e é responsável pela intuição. Ele aborda o universo de um modo feminino. Nós usamos o Olho Esquerdo, de orientação feminina, o lado direto do cérebro, para os sentimentos e a intuição.


Hórus VS Jesus


No mito egípcio, Horus e seu pai Osiris, são frequentemente intercambiáveis, da mesma forma que Jesus e seu Pai, "Eu e meu Pai somos um". De acordo com o pesquisador Walker, pode-se dizer de Osiris que:

Ambas as histórias de Hórus e Jesus são assustadoramente parecidas. Temos que levar em conta que a história de Hórus é mais antiga que a história de Jesus.

Portanto nem adianta dizer qual copiou de qual, não é?

Vejam bem as semelhanças:



O conto de Hórus foi escrito em cerca de 3000 a.C. 


O conto de Jesus foi escrito exatamente na era Cristã (entre 1 a.C. e 1 d.C.)


Hórus nasceu da Virgem Ísis. Jesus nasceu da Virgem Maria.



O nascimento de Hórus foi acompanhado por uma estrela a Leste, essa acompanhada por 3 reis. O nascimento de Jesus foi semelhante.



Hórus foi batizado por Anup. Jesus foi batizado por João Batista.



Ambos Anup e João Batista foram decapitados.


Hórus foi considerado uma criança-prodígio aos 12 anos. Jesus também.


Hórus começou seu ministério aos 30 anos. Jesus também.



Hórus teve 12 discípulos e viajou com eles praticando milagres Jesus também.



Hórus disse que é o príncipe da eternidade. Jesus disse que é a luz do mundo. 



Hórus disse que é o Caminho, a Verdade e a Vida. Jesus também.



Hórus andou sobre as águas. Jesus também.



Hórus ressucitou um home chamado El-Azar-Us. Jesus ressucitou Lázaro.



Hórus foi traído por Tifão. Jesus foi traído por Judas.



Hórus foi invejado e considerado "o rei dos egípcios". Jesus foi invejado e considerado "o rei dos judeus".



Hórus foi condenado a morte e crucificado. Jesus também.



Hórus foi enterrado. Jesus também.



Hórus ressucitou 3 dias depois. Jesus também.









Essas coincidências são muito evidentes, provando definitivamente que o mito de Jesus é uma copia tirada de uma entidade muito mais antiga!!!

Mas não pensem que foi apenas umas coincidências ou que a história de Hórus e falsa, uma vez que essas coincidências se repetem nos demais deuses de varias religiões.


Nos outros deuses, encontramos a mesma estrutura “mitológica”. Vejamos:




Mitra (persa – romano) 1200 a.C

Nasceu dia 25 de dezembro; 

nasceu de uma virgem;

foi batizado;

teve 12 discípulos;

praticou milagres;

morreu crucificado;

ressuscitou no 3º dia;

era chamado de “A Verdade”, “A Luz”

veio para lavar os pecados da humanidade.




Attis (Frígia – Roma) 1200 a.C.

Nasceu dia 25 de dezembro;

Nasceu de uma virgem;

Foi crucificado, morreu e foi enterrado;

Ressuscitou no 3º dia;



Krishna (hindu – índia) 900 a.C

Nasceu dia 25 de dezembro;

Nasceu de uma virgem;

uma estrela avisou a sua chegada;

Fez milagres;

Após morrer, ressuscitou.



Dionísio (Grego) 500 a.C

Nasceu de uma virgem;

Foi peregrino (viajante);

Transformou água em vinho;

Chamado de Rei dos reis, Alpha e ômega;

Após a morte, ressuscitou;

Era chamado de “Filho pródigo de Deus“.




Existem outros deuses com características muito semelhantes a estes:


• Adad de Asiría 

• Hércules da Grécia 

• Alcides de Tebas 

• Baal de Fenicia 

• Bali do Afeganistão

• Beddou do Japão 

• Crite de Caldea 

• Deva Tat da Tailandia 

• Indra do Tíbet 

• Jao de Nepal 

• Odin da Mitologia Nórdica

• Quetzalcoatl do México

• Salivahana de Bermudas 

• Tammuz da Siria 

• Thor da Mitologia Nórdica

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.