Siga por e-mail

Seguidores

terça-feira, 30 de abril de 2013

Encantamento para leitura em chá ou café



Para a leitura nas folhas de chá, estas devem ser colocadas soltas em um bule de cerâmica ou porcelana. Ponha água fria em uma chaleira para ferver,depois de fervida, despeje sobre as ervas no bule. Após cinco minutos em infusão, sirva o chá em uma xícara de cerâmica ou porcelana, pode adicionar leite ou adoçante, se desejado, pois não interfere na leitura. Depois que a pessoa, cuja sorte será lida, estiver quase terminado de tomar o chá, mas não completamente, ela entregará a xícara com o pires à você para a leitura das folhas e do resíduo depositado no fundo. Coloque a xícara na palma da mão esquerda, enquanto a segura com a mão direita, mexendo o chá três vezes em sentido horário e acrescente o canto abaixo:

Giram as folhas, assenta-se o chá,

Clara e verdadeira esta leitura será,
Senhor e Senhora,
ao meu lado estejam,
Orientando minha visão, que assim seja!

Coloque a xícara de volta no pires com a asa para a sua direita, diante da consulente e quando as folhas tiverem assentado examine em busca de símbolos.
Muitas vezes a leitura é relacionada a uma pergunta direta da consultante.

Alana


Boa leitura!
Blessed Be.


Leitura na Borra de Café...



Símbolos e significados:

ANIMAIS: Representa o comportamento – exemplo: Macaco – pessoa curiosa, brincalhona e esperta ; Cachorro – pessoa fiel, carinhosa e companheira.
OBJETOS: Tipo de acontecimentos – Exemplo: faca, cortes na vida pessoal; Taça grandes comemorações.
SÍMBOLOS: Denota sorte ou azar – Exemplo: Estrela grande sorte;
Cruz: momentos importantes e decisivos; Lua – mudanças; Sol: realização
ÁGUIA - Desejos fortes, excelente concentração mental. Significa também a necessidade de ampliar conhecimento. Sinal de grande proteção espiritual.
ANJOS: Proteção e assistência espiritual para a realização de seus desejos.
ANCORA – Sinal de sucesso e segurança nos negócios ou amor.
ALIANÇA/ANEL – Símbolo de união e eternidade, casamento ou noivado.
ARANHA – Cuidado com pessoas próximas. Confusão, período de dificuldade de concentração.
ARCO: Significa passar de uma condição para outra. Mudanças na maneira de pensar e agir.
ÁRVORE: Realizações a caminho, prosperidade e saúde. Fase de reconhecimento e bons amigos.
AVIÃO – Viagens. Também pode significar desejo de escapar da rotina e responsabilidades.
BARCO – Viagens a vista. Romantismo, também significa necessidade de isolamento.
BOTA: Denota a presença de um homem, que se interessa pelo consulente. Pode representar o marido ou namorado.
BEIJA-FLOR: Grandes emoções a caminho. Um novo Amor. Prazeres sociais.
BOCA: Cuidado com o que fala. Tente expressar seus sentimentos com maior clareza.
BORBOLETA- Alegrias causadas por pequenas mudanças. Amores, flertes. Alegria nos relacionamentos.
CAIXÃO: Morte/ Mudanças.
CACHIMBO – Ligado a energia masculina. Sensualidade. Alguém que pensa no consulente. Tempo de para pensar e ouvir.
CARROS – Mudança apara melhor.
CÃO: Amigos fiéis – ajuda inesperada. Fidelidade.
CASA: União à vista. Novidades no lar ou no trabalho.
CAVALO: Símbolo de virilidade masculina. Pode representar Homem, mudanças ou viagens.
CHAPÉU: Encontro com um homem.Um homem que pensa muito na consulente. Avisos importantes. O Chapéu representa o intelecto.
CHAVE: Soluções rápidas, sucesso, aquisições materiais.
COBRA: Doenças, Traição, Nervosismo, Negatividade.
COGUMELO: Indica ilusão, desejos infundados. Cuidado com o que sente e pensa.
COROA: Vitória. Proteção espiritual. Desejos serão realizados. Méritos e reconhecimento publico.
CORAÇÃO: Novo relacionamento. Amor na vida do consulente, alegrias familiares.
CORAÇÃO PARTIDO: Tristeza. Fim de relacionamento.
CORUJA: Significa avisos, intuição. Pode alertar sobre doença ou morte.
CRUZ: Seja solidário com as pessoas. Período requer paciência, as realizações dos desejos. Significa sacrifício, antes da vitória.
DAMA ANTIGA: Sensualidade. Sexualidade.
FACAS: Intrigas, Brigas, problemas com papéis. Cuidado.
ELEFANTE: Símbolo de iluminação. Representa família. Grande sorte, saúde e boas amizades.
ESPADA: Poder espiritual, vitória financeiras e com a justiça. Também pode significar desentendimento e rupturas.
ESTRELA: Sucesso está em seu ponto culminante. Proteção e sorte.
FERRADURA: Sorte favorecida, bons negócios, dinheiro inesperado.
FLORES: Comemorações – Alegrias – novo relacionamento. Casamento ou Noivado.
FRUTA – símbolo afortunado.
GATO: Símbolo do misticismo e dos mistérios ocultos. Cuidado com pessoas próximas. Use a intuição.
GOLFINHOS: Amor correspondido. Romance.
INICIAIS – Refere-se a pessoas que conhece ou conhecerá.
LÂMPADA/LAMPARINAS – Significa iluminação. Grandes idéias que consulente pode ter para resolver questões.
LEÃO: Fortaleza, Independência. Poder e Fama.
LEQUE – Sociabilidade e sensualidade em alta.
LETRAS: Mensagens, recados, cartas em breve.
LUA: Valorize o que tem. Siga sua intuição. Conexão espiritual, fase de grande força espiritual. Sorte. Símbolo Indicador de honrarias. Indica viagens ou mudanças.
MACACO: Brincadeiras. Cuidado com elogios falsos.
NÚMEROS: Refere-se a dias/semanas ou meses, pode ter uma relação com um grande acontecimento. Muitos números indica dinheiro. De qualquer maneira é um símbolo de grande sorte.
OLHO: Proteção espiritual. Você está sendo observado.
OVOS: Chegada de um bebê. Também refere-se a boas notícias.
PÁSSARO/AVE: Alegrias, comunicação. Romance. Leveza de espírito,
PATO: Alegrias com amigos e familiares. Felicidade.
PEIXE: Medite para elevar-se espiritualmente. Período de muita prosperidade, dinheiro a vista.
PIRÂMIDE: Muita sorte. Grande potencial de espiritualidade.
POMBA: Confirmações que chegarão em breve. Resoluções para dúvidas. Grande Paz.
QUADRADO: Bom momento nos negócios.
ROSTO DE MULHER: Amiga ou parente, pensando em você.
ROSTO DE HOMEM: Amigo ou parente, pensando em você.
SAPO: Significa limpeza energética. Cura. Também está relacionado com sociabilidade e sorte nos negócios.
SAPATO DE MULHER: Sensualidade. Significa mulher importante na vida do consulente.
SAPATO DE HOMEM: Significa o parceiro (namorado). Pessoa importante.
SOL – Realizações. Boa fase. Sucesso em todos os níveis.
TAÇA – Comemoração. Vitória em todos os sentidos. Merecimentos trazidos pela espiritualidade.
VELA – Acesa bom sinal, mas preste mais atenção a espiritualidade. Apagadas notícias tristes.


Fonte: Meu grimório

sábado, 27 de abril de 2013

Bênção Sétupla da Bruxaria Verde:




"Benditos sejam meus pés que me trazem por estes caminhos.
Benditos sejam meus joelhos que se dobram diante do senhor e da senhora
Benditos sejam meu útero, sem o qual não seria possível existir
Benditos sejam meus seios, constituídos de beleza e força
Benditos sejam meus lábios que proferem os nomes sagrados
Benditos sejam meus olhos que vêem a beleza do seu amor.
Bendita seja a minha mente que busca o seu conhecimento e sabedoria".
Blessed Be.




Fonte: A Grande Arte da Bruxaria Verde



quinta-feira, 25 de abril de 2013

O que é a Bruxaria verde?





O que é Bruxaria Verde
Bruxaria Verde é a prática do núcleo das tradições da magia da terra, a feitiçaria da Bruxa Natural, isto pode incluir a magia rural, as plantações e cultura das ervas em sintonia com a natureza e artesanalmente falando.
A prática da bruxa verde atrai os poderes da natureza para o indivíduo, auxiliando a criar mudanças. Esta prática Verde não é formal em tudo, mas é muito pessoal para a bruxa.
A prática utilizada no trabalho de magia com ervas, chás de ervas, cura e temperos é artesanal utilizando os objetos na natureza, a bruxa verde é capaz de fazer magias facilmente somente com a mão. Essas magias, encantos e outros artesanatos trabalham através dos elementos, Fogo, Água, Ar, Terra e Espírito.

Crenças da Tradição da Bruxaria Verde.
Bruxaria e Magia Verde
Bruxaria verde é uma prática altamente individual e pessoal e é diferente para cada pessoa que a pratica.
Devido a isso a palavra mágica é irrelevante, pois magia não é uma ilusão ou uma maneira de agitar as forças não naturais.
Magia é natural, esta em tudo ao nosso redor e dentro de nós e é de uso da energia natural com a intenção consciente de cada um.
Para alguns a palavra mágica pode implicar algo fora do comum, mas para as Bruxas, basta pegar no jardim algumas ervas e fazer uma infusão para estar realizando magia.
Por exemplo, se eu quiser fazer um chá de ervas que eu uso as ervas do meu jardim, se eu usar este chá para dor de barriga ou uma dor de cabeça, é a medicina ou um feitiço? para mim isso não importa realmente. O que importa é o uso da energia ervas para ajudar a curar e aliviar a doença.

Espiritualidade Verde 
Buscar a espiritualidade através da natureza é a base de uma eco-espiritualidade.
Eu acredito que cada árvore, planta, morro, montanha de rocha emana uma energia e um espírito.
E neste ponto de vista isso pode fornecer um equilíbrio tão necessário entre a natureza e os seres humanos.
A cultura moderna tem uma visão que os seres humanos são separados e superiores ao mundo natural.
Se os esforços para retornar a verdadeira vida com a natureza for realmente de nosso interesse, ai sim estaremos prontos para um crescimento espiritualmente e vamos deter a destruição ambiental.
O que fazemos à terra, só estamos fazendo a nós mesmos.
Buscar espiritualidade na natureza não é um conceito novo, nem cuidar do meio ambiente tão pouco, esta prática vêm de séculos…
Poderíamos aprender muito com a água nativa, a mata nativa, com os próprios índios e entender a essência da vida e aprender a usar sem deixar acabar.
Os Celtas viram tudo na natureza como vida consciente, acessível e cheia de energia.
Agora, a espiritualidade da Terra deu espaço a uma alienação entre pessoas, religiões e política.
A espiritualidade da Terra baseasse em celebrar os ciclos e a dualidade da vida na natureza.
Em tudo há um equilíbrio, atividade e repouso, o escuro e a luz, nascimento e morte, masculino e feminino.
Hoje a vida moderna exige muito de nós, não há produtividade constante e estímulos sensoriais.
A vida profissional, dificuldades financeiras, o conforto dos materialistas, televisão, jornais, computadores e muitos mais.
Não que seja errado, devemos desfrutar do avanço tecnológico que o mundo alcançou, mas não deixar tão para trás a base que estruturou todo este processo.
Vivendo uma forma mais natural e mais simples de vida oferecemos uma chance de resgatar uma vida mais saudável e consciente.
A Bruxa Verde sempre esteve em alta, e você deve ter uma na família, sim, aquela mãe que sabe colher uma erva e sabe para que esta serve, uma tia que faz um chá de cidreira natural, uma avó que diz quando vai chover ou a amiga que quer te dar chá de boldo para ressaca…
Aprenda com as Bruxas Verdes a admirar e cuidar da natureza, pode ser muito útil um dia!!!
Blessed Be


Fonte: http://nasmaosdalua.blogspot.com.br

Bruxaria Verde 2

Quem escolhe o caminho verde geralmente são bruxas associadas as ervas e cura, o uso do termo verde como um elemento essencial de Bruxaria procede de várias fontes facilmente identificáveis no Paganismo moderno. O verde é a cor usada para descrever o culto à natureza e o uso das ervas, ambos partes integrantes da humanidade desde os tempos remotos. Relaciona-se ao Senhor e à Senhora da Floresta Verde, o Pai Primordial e a Mãe Prirelemordial, a Mãe-Terra e o Senhor do Bosque.





Sim, magia não tem cor. Usamos o verde, a cor verde para nos relacionarmos a Terra, assim como usam a cor rosa para o amor e a vermelha para o sexo. Simples assim...


Os povos Celtas e gaélicos usavam essa cor para denotar os Espíritos da Terra, as fadas... A verdadeira natureza da pessoa envolvida.


O Verde também era uma cor importante para as pessoas das Ilhas Britânicas, que mantinham uma regra específica para usar a tintura verde em seus ritos e feitiços.


Após a Morte da minha avó, sou uma praticante solitária por 39 anos nesta tradição que vos falo.
Já conheci pessoas nesse caminho em que nos unimos e estudamos, Mas a morte nos distanciou e até hoje sigo o meu caminho sozinha.
Estou no segundo ano hoje de Bruxaria (Wicca) eclética,, mas meu grande amor é a Bruxaria verde. Não a chamo de "Tradição", prefiro me dirigir a Bruxaria verde como 'Costume' ou 'prática' .

A bruxa verde não precisa de instruções detalhadas sobre a aproximação com o divino, pois bruxa e Divino conectam-se como Um. A Bruxa aqui não trabalha com a Terra, a Bruxa é a Terra, o que a Terra é a Bruxa É., Somos uma parte integrante do Todo.

As formas de criação são sempre multantes, pois a mudança é um sinal de vida e não algo a temer. A vida é uma energia imortal.

As conexões encontradas por meio dos elementos Verdes da Arte colocam seu praticante em harmonia não só com a Senhora e o Senhor (Que são considerados iguais), a terra, as estrelas o Universo, mas também com outras formas de vida e com os elementais.


Reverenciamos a Senhora e o Senhor ( mas não como uma crença em ambos), pois sua imanência torna a fé desnecessária.


A Arte aqui é aprendida realmente por intuição, portanto a bruxa mais experiente só pode oferecer o benefício dessa experiência, cabendo ao buscador aceitar ou descartar. Afinal é o buscador que deve se conectar pessoalmente à Senhora e ao Senhor. A Aprendizagem contudo é uma estrada sem fim.


Em sua maioria, os elementos Verdes da Arte, desde suas origens, são considerados uma prática solitária, ainda que tenham elementos públicos.


A Bruxaria Verde não depende de uma série de iniciações, apenas uma Dedicação, uma iniciação e uma rededicação quando quiseras tu reafirmar seus votos. (Isso se achar necessário), Pois como sendo um seguimento muito antigo, não se usava de graus para se denominar Uma bruxa. Isso tudo é uma escolha pessoal não uma regra.


A Bruxaria verde é mais uma "Herança da Avó"  por isso muitos a veem como Fraudulenta

É uma Arte com base em curas, sim das antigas curandeiras e benzedeiras e seu modo como trabalhavam com a natureza, claro que, com o envolvimento dos rituais da Roda do ano e Esbats, criamos nossos próprios ritos, mas de uma forma cerimonial porque não se trata apenas do Natural, mas com bases também em fontes Wiccanianas e assim a Wicca o É. O que a torna Natural e Eclética como citada acima.



Uma Bruxa não nasce pronta, embora Uma vez Bruxa sempre Bruxa, é no agora que dependendo de suas práticas e estudos seu poder é despertado.

Respeitamos as tradições cerimonialistas, mas enxergamos que o respeito não é recíproco, ao perceber que eles se dizem "verdadeiros" e nós não. Mas acredito eu que fingir que nunca houve outros bruxos no mundo que não segue esta mesma tradição é manter uma visão míope da verdadeira história dos antigos.



Quem praticava o nível verde da Arte eram as pessoas comuns, o povo que vivia perto da Terra e conhecia os ciclos da Natureza em seu giro no tempo e os padrões de crescimento, Seus utensílios eram da natureza, a minha avó mesmo, morreu sem saber o que era um athame, ;) as capas dos rituais ou eram cobertos de céu (nús) ou as mesmas dos vestiários diários, não tinham nada escritos por que eram analfabetos, e transmitiam sua arte por meio de vários mitos e práticas diárias.

A minha avó era alfabetizada, mas todo o meu aprendizado veio por via oral. E o que está em mim está guardado por toda a vida. Hoje posso repassar ao meu marido e filho.




As Deidades do verde são as antigas da história da humanidade, as margens de nossa percepção de 2 mil anos atrás,e por tanto não usamos nomes. ( mas se quiseres usar, esteja a vontade) Aqui ocorre uma comunicação aberta com os antigos e à medida que praticar esse diálogo, seus poderes serão aumentados pelo uso, e em nossos ritos, somente o praticante deve decidir o que deve ser usado ou descartado. É sempre uma questão de escolha pessoal.

Alana Alencar







terça-feira, 23 de abril de 2013

Mais sobre os Guardiões




Por milhares de anos, historiadores, antropólogos e arqueólogos, tem encontrado artefatos e documentos que comprovam a existência dos Guardiões.

Eles são citados em todas as religiões, e se apresentam de várias formas.

A importância deles na história do mundo é muito importante. Se acredita que eles são os únicos seres que conseguem viver entre os dois mundos e estão cada vez mais presentes dentro da nossa história.


Os guardiões qualquer que seja o nome cultural empregado, já eram conhecidos na antiga Mesopotâmia muita antes dos celtas ou italianos virem, a saber, da sua existência.

Os guardiões formam um conceito comum a maioria das tradições mágicas, apesar de serem vistos de modo diferente pelos diversos sistemas de magia.





O conceito mais antigo dos Guardiões, datado dos Cultos Estelares, na antiga religião, estes seres eram chamados de Grigori, particularmente para as bruxas tanárricas, que são conhecidas como “Bruxas das Estrelas”. A Tanarra preservou os antigos Mistérios Estelares, e é através de seus ensinamentos, que poderemos ter um entendimento melhor de quem os Guardiões/ Grigori realmente são.

Nos antigos Cultos Estelares da Pérsia haviam quatro estrelas “reais” (conhecidas como “Senhores”) que eram chamados de Guardiões. Cada uma destas estrelas reinava sobre um ponto cardeal. A antiga forma ritual dos Guardiões eram feitas com a invocação no momento de fechar o círculo mágico. Há uma ligação definitiva entre os “poderes” das bruxas e a “visão” dos Guardiões. Assumir a posição do Guardião é invoca-lo dentro de sua Psique.


A estrela Aldebaran, quando marcava o equinócio de Primavera, tinha a posição do Guardião do Leste; Regulus, marcando o solstício de verão, era o Guardião do Sul; Antares, marcando o equinócio de outono, era o Guardião do Oeste; Fomalhaut, marcando o solstício de inverno, era o Guardião do norte.

As torres foram construídas como símbolos dos Guardiões para que fosse feita sua adoração e também para propósito de invocação. Durante o “Rito de Chamada”, estes símbolos eram traçados no ar, usando tochas ou as varinhas e os nomes secretos dos Guardiões eram chamados.




Na bruxaria italiana, estes seres antigos são Guardiões dos Planos Dimensionais, protetores do círculo mágico e eram testemunhas dos ritos. Cada um dos Grigori tem uma “Torre de Observação” que é um portal marcando cada um dos quadrantes do circulo mágico. No conhecimento das bruxas italianas as estrelas eram vistas como os campos das legiões dos Grigori. No mythos, eles eram os Guardiões das Quatro Entradas para os Reinos de Áster, que era o local da morada dos deuses na mitologia da Stregheria.

Para que se realmente entenda os Grigori, precisamos olhar para seu papel na bruxaria como uma religião. Nosso primeiro encontro com eles é no momento de fechar o circulo para fazermos nossos ritos. Os Guardiões são chamados, ou invocados, para guardar o círculo e testemunhar o ritual.


Por vários anos encontraremos varias passagens da vida deles.

Na religião romana arcaica,os espiritos guardiões conhecidos por Lare eram adorados nas encruzilhadas,onde pequenas torres eram erguidas;colocava-se um altar em frente das torres e faziam-se oferendas aos Lare.Os Lare eram originalmente espiritos da natureza dos campos,derivados do espirito Lasa dos etruscos.Mais tarde eles se tornaram espiritos de demarcação, associados á proteção e aos ritos sazonais.


Os Guardiões são citados no livro “Aradia o Evangelho das Bruxas”. Neste livro encontramos o seguinte trecho: “Então Diana dirigiu-se aos pais do inicio, às mães, aos espíritos que existiam antes do primeiro espírito...”. Estes espíritos são os chamados de Grigori na Itália, também conhecidos como os Guardiões, e em outras tradições são chamados os Antigos.

Os Guardiões formam uma antiga raça que evoluiu para além das necessidades da forma física. Segundo algumas tradições, eles viviam, há um tempo, sobre a terra e pode muito bem ser a origem da lenda da antiga Atlântida ou da Lemúria. Em algumas lendas, diz-se que os Guardiões teriam uma ligação com o Antigo Egito. Nos mitos de iniciação egípcia, uma das frases-chave para acessar o templo era: “Apesar de ser um filho da Terra, minha raça vem das estrelas”.



quinta-feira, 18 de abril de 2013

Sugestão para celebrar Beltane



Publicado por Rowena 

As tradicionais Fogueiras de Beltane e as oferendas nos Poços Sagrados são atividades típicas dessa época, simbolizando a purificação, proteção e boa sorte. É a união sagrada entre o Céu e a Terra, onde os mundos novamente se encontram.

Para celebrarmos Beltane, sugerimos um ritual que poderá ser feito individualmente ou em grupo. Uma sugestão baseada no Druidismo com ênfase no Reconstrucionismo Celta.

Prepare o local onde será realizado o ritual. A música com inspiração celta, é muito bem-vinda. Coloque tudo que irá precisar por perto: três caldeirões, incensos, água, fósforos, álcool, papéis, lápis, oferendas, pétalas de rosas brancas e vermelhas, um vaso com flores vermelhas, um galho de alecrim, nove galhos secos de diferentes árvores (para queima) e três velas brancas.

Coloque dois castiçais com as velas brancas, na entrada do seu Bosque Sagrado direcionado para o Oeste, simbolizando a passagem do Outro Mundo e que serão acesas no final do ritual para representar as duas fogueiras de Beltane. Adorne todo o local com pétalas de rosas brancas e vermelhas.

No centro do Bosque Sagrado coloque os três caldeirões. No caldeirão da esquerda coloque a água e o galho de alecrim (Reino do Mar), a vela branca no caldeirão do centro (Reino do Céu) e as nove madeiras sagradas no caldeirão da direita (Reino da Terra). Defume o local, circundando-o três vezes no sentido horário.

Em seguida, no centro do Bosque Sagrado, cruze os céus, dizendo:

"De Norte a Sul, de Leste a Oeste... Iniciamos nossa jornada, abençoados pelo Céu, a Terra e o Mar. O Céu que se estende acima de nós, o Mar que nos rodeia e a Terra que se estende sobre nossos pés. Estamos aqui reunidos para homenagearmos os Deuses, os antepassados e os espíritos da natureza, pedindo que nos abençoem e reacendam o calor e o amor do mundo, através dos ritos de Beltane."

Comece o ritual honrando a Mãe Terra e em seguida faça uma oferenda, que poderá ser um alimento, fruta, bebida, flores ou uma poesia. Coloque suas mãos no chão e diga:

Mãe Terra

"Percebo o seu toque no vento
Provo o seu néctar no ar
Vejo seu fôlego na ondulação do mar
Sinto seu perfume nas árvores e no solo
Ouça a sua voz na pedra e na rocha
Acendo o fogo sagrado na vela e na tocha
Para as forças da natureza honrar
E as bênçãos da Mãe Terra celebrar!"

Aceitai agora a nossa gratidão!

Coloque a oferenda na frente do caldeirão da terra. Sugestão: maçã.

Unindo-se ao Bosque Sagrado

"Que a Voz do Fogo da Sabedoria,
Guie-nos no caminho da Verdade
Que a Voz do Poço da Inspiração
Guie-nos no caminho da Renovação
Que a Voz do Bosque Sagrado
Guie-nos nesse caminho abençoado."

Declaração do Propósito

"Assim como os antigos fizeram antes de nós, vamos agora fazer e assim os nossos descendentes também o farão. Reunimo-nos no Bosque Sagrado para celebrar o Festival de Beltane e dar boas-vindas ao verão, que se aproxima. A água como o fogo, regenera e revitaliza a nossa existência, aumentando o poder da vida e da criação, dando-nos prosperidade e abundância, curando o passado e abençoando-nos com o presente. Este ritual é dedicado aos Deuses: Bilé, Dana e Manannán Mac Lir."

Estabelecendo contato com o caldeirão do centro (o Céu)

"Acendo o fogo sagrado na sabedoria, no amor e no poder.
Fogo sagrado, que queima dentro de nós, venha agora nos fortalecer."

Acenda a vela branca dentro do caldeirão e diga:

"Salve os Fogos de Bilé, que uma nova chama se acenda dentro de nós para que o poder da vida possamos sustentar, neste novo ciclo que agora se inicia."

Estabelecendo contato com o caldeirão da esquerda (o Mar)

"Nas profundidades fluem as águas sagradas da cura do verão.
As águas sagradas que fluem dentro de nós e promovem a renovação."

Pegue o galho de alecrim, dentro do caldeirão, aspergindo a água nas pessoas presentes no ritual e diga:

"Salve Senhora da Fonte Sagrada, que as bênçãos da cura possam estar entre nós e dentro de nós."

Estabelecendo contato com o caldeirão da direita (a Terra)

"Das profundezas às alturas, mede a árvore do mundo com sabedoria.
Árvore sagrada que cresce dentro de nós e nos abençoa com amor e alegria."

Pausa para meditação, levando-se em consideração quais os objetivos a serem alcançados no ritual. Em seguida, queime os galhos sagrados dentro do caldeirão, escreva seu nome e de todos os participantes, coloque tudo para queimar e assim conectar-se às novas energias.

"Conectando-nos ao submundo no saber dos Antigos e no mundo superior ao poder dos Deuses, pedimos uma orientação para seguirmos adiante em nossa caminhada."

Feito isso, é hora de receber uma mensagem dos oráculos. Sugestão: runas ou ogham.

Abrindo os portais entre os mundos

"Manannán Mac Lir, Senhor do Portal, você que vai além das fronteiras do Bosque Sagrado, guiai-nos através das brumas até o limiar entre os mundos. Honramos o povo nobre do Outro Mundo, seres brilhantes do Sídhe (Shee) e oferecemos nossa sincera reverência, pedindo sua proteção nos caminhos ocultos. Para a paz e a harmonia dos mundos, aceitai a nossa gratidão!"

Faça uma oferenda ao povo nobre do Sídhe. Sugestão: vaso de flores vermelhas.

Obs: a oferenda ao "povo nobre" também pode ser um "Bannock", um pãozinho ou bolinho feito de aveia, farinha e leite. Este é um antigo costume que remonta aos nossos ancestrais celtas. Historicamente, os "bannocks" foram usados em rituais para marcar as mudanças de estações.

Honrando as Três Famílias

"Neste altar sagrado, pelas bênçãos dos Deuses, dos antepassados e dos espíritos da natureza, celebramos os Fogos de Beltane, dando início à parte clara no ano com a proximidade do verão. Venham conosco celebrar a vida com alegria e muito amor, sejam todos bem-vindos... Fáilte!"

Faça uma oferenda às Três Famílias. Sugestão: vinho tinto.

As Bênçãos dos Fogos

"Encontramos-nos cheios do poder dos Deuses e agora vamos trabalhar a magia dos Fogos de Beltane, para trazer-nos sorte no próximo verão. Que os fogos purifiquem nossos corpos, mentes e espíritos, auxiliando-nos a cultivar a paixão e a mantermos sempre uma atitude positiva perante a vida."

Acenda as duas velas dos castiçais, que foram colocados na entrada do Bosque Sagrado, com o fogo da vela principal que está no caldeirão do meio (Reino do Céu). E diga:

"Na presença dos poderosos, que os fogos da magia,
Aumentem à medida que o calor do sol do verão aumentar
Dando-nos força, luz e sabedoria!
Antes de deixarmos o Bosque Sagrado, passaremos entre os dois fogos da purificação.
E que eles possam queimar em nós os detritos acumulados no inverno,
Renovando-nos a alma e o coração!"

Feito isso, cada participante passará por entre os fogos, permanecendo em pé por alguns minutos entre as chamas, visualizando que elas crescem até o alto de sua cabeça, promovendo a purificação.

Em seguida, retorne ao seu lugar para finalizarmos o ritual.

Agradecendo e fechando as portas - término do rito

Assim como iniciamos, terminaremos esse rito... É tempo de partir e retornar ao Outro Mundo. Agradecemos às bênçãos do fogo, às três famílias - aos Deuses, aos antepassados e aos espíritos da natureza - que junto ao Sídhe protegeram-nos em nossa jornada, assim como à Mãe Terra que nos apoiou. Pelos reinos do Céu, da Terra e do Mar, os portais do Outro Mundo agora serão fechados... Slán!

(Ritual baseado nos princípios da Ordem Druídica ADF - Árn Draíocht Féin - A Druid)

Extraído do livro Brumas do Tempo - Todos os direitos reservados.

Celebrações: Festival de Beltane

Rowena Arnehoy Seneween ®
Pesquisadora da Cultura Celta e do Druidismo
.

segunda-feira, 15 de abril de 2013

A Queima dos pedidos



Esse é um dos rituais tradicionais de Samhain. Nele banimos tudo que tivemos de negativo e pedimos o que queremos atrair de positivo para a roda nova que se inicia.

Para isso você irá precisar de:

Dois pedaços de papel em branco;
Um lápis;
álcool de cereais;
Folha de louro;
Um caldeirão;

Num dos papeis escreva tudo que você quer afastar de sua vida: Doenças, obstáculos, pessoas indesejáveis, dificuldades etc...
Seja bem específico em seus pedidos e no final não se esqueça de assinar e colocar a seguinte frase:

Que tudo isso seja correto e para o bem de todos.

Coloque um pouco de álcool de cereais em seu caldeirão, acenda-o e jogue o primeiro papel no fogo, aquele que tem as coisas que você quer afastar. Enquanto o papel queima, mentalize o mal sendo afastado.
Peça à Deusa e ao Deus que todas as forças negativas sejam anuladas e que o mal seja banido. Espere o fogo acabar e então coloque um pouco mais de álcool de cereais no caldeirão. Tomando o devido cuidado, pois o álcool quando colocado em um recipiente quente evapora e pode entrar em combustão espontaneamente.
Jogue então o segundo papel, aquele que contém as coisas que você quer atrair para a sua vida no fogo, coloque as folhas de louro no fogo, sempre mentalizando boas coisas que você quer atrair para a sua vida. Quando o fogo acabar concentre-se na fumaça, provocada pelas folhas, subindo aos céus. E peça que seus pedidos se elevem ao mundo dos Deuses.

Blesed Be.


Fonte:  http://gatomistico.blogspot.com.br/

A Fonte da Juventude

Sente-se calmamente fechando os olhos, concentre-se em uma respiração suave e permita-se ir à deriva lentamente, para trás no tempo. Tome-se a um lugar especial na sua juventude, onde você se sentia completamente satisfeito. Explore este terreno. Observando seus sentimentos. Experimente todas as maravilhas que o rodeia. Encarne essa sensação de inocência e alegria. Quando você estiver pronto para voltar. Abra os olhos e afirme em voz alta. Eu sou eternamente jovem em mente, corpo e alma! Quando terminar Sorria.





quinta-feira, 11 de abril de 2013

Deuses Brasileiros


Não conheço a autoria





Deuses brasileiros.
Sabemos tanto dos outros deuses (gregos, egípcios e romanos)
 que tenho até vergonha de dizer que muitos de nós ainda desconhecem 
alguns desses deuses da nossa cultura.
Tupã é o autor do trovão e dos relâmpagos, sendo o criador do raio,
 tal onipresença celeste confere a este um poder significativo na mitologia Tupinambá.
JACI, a formosa deusa Jaci, a Lua, a Rainha da Noite que traz suavidade 
e encanto para a vida dos homens.
No início de todas as coisas, Tupã criou o infinito cheio de beleza e perfeição.
 Povoou de seres luminosos o vasto céu e as alturas celestes, onde está seu reino. 
Criou então, a formosa deusa Jaci, a Lua, para ser a Rainha da Noite e trazer
 suavidade e encanto para a vida dos homens. Mais tarde, ele mesmo sucumbe
 ao seu feitiço e a toma como esposa. Jaci era irmã de Iara, a deusa dos lagos serenos.
Guaraci ou Quaraci na mitologia tupi-guarani é a representação ou deidade do Sol,
 às vezes compreendido como aquele que dá a vida e criador de todos os seres vivos, 
tal qual o sol é importante nos processos biológicos. Também conhecido 
como Coaraci. É identificado com o deus hindu Brahma e com o egípcio Osíris.
Yorixiriamori - Esse deus deixava as mulheres encantadas com seu canto,o que
 despertou a inveja nos homens,que tentaram matá-lo. O deus fugiu sob 
a forma de um pássaro. É um personagem do mito “A Árvore Cantante”,
 dos Ianomâmis. Essa árvore desapareceu depois da fuga da divindade.
Anhangá - Deus do inferno e inimigo de Tupã. Pode se transformar 
em vários animais, e quando aparece para alguém é sinal de má-sorte.
Ceuci - Deusa protetora das lavouras e das moradias, seu filho Jurupari,
 mesmo nome de um peixe brasileiro, nasceu do fruto da Cucura-purumã, 
árvore que simboliza o bem e o mal na mitologia Tupi-guarani.
Akuanduba - Divindade dos índios araras, tocava a sua flauta para por ordem 
no mundo.
Wanadi - Deus dos iecuanas, ele criou três seres para gerarem o mundo. 
Os dois primeiros cometeram um erro, e criaram uma criatura defeituosa,
que representa os males do mundo. O terceiro concluiu o ato da criação.
Yebá Bëló - Conhecida também como “A mulher que apareceu do nada”, 
é uma divindade do mito de criação dos índios dessanas. Segundo eles,
os seres humanos surgiram das folhas de coca (ipadu), que ela mascava.

Cores das Velas Sagradas de Deuses e Deusas


portalicons500
Magia e elementos mágicos

VELAS



Assim como o Cristianismo é formado por diversas denominações religiosas, há também diversas tradições dentro da Feitiçaria (ou Wicca, como muitas Bruxas modernas preferem chamar). Cada tradição Wicca possui rituais e festivais diferentes, e muitas usam um nome diferente para a Deusa e Seu consorte, o Deus Cornífero.
Embora geralmente velas brancas de altar bastem para invocar as deidades pagãs, usar uma vela especial com a cor sagrada adequada ao invocar um Deus ou Deusa em particular trará resultados muito melhores.
A seguinte lista em ordem alfabética contém os nomes, descrições e cores das velas sagradas das Deusas e Deuses adorados pelas várias tradições Wicca, assim como muitas das antigas deidades da natureza louvadas por diferentes culturas pagãs através da história.

129


AAH : Um dos Deuses da Lua sagrados do antigo Egipto. A cor de sua vela sagrada é o prateado.

ADITI: Deusa do Céu hindu. A cor de sua vela sagrada é o azul.

AFRODITE: Deusa grega do amor e da beleza e uma entre os Doze Grandes do Olimpo. Também conhecida como Citeréia, identifica-se com a Deusa romana do Amor, Vênus. As cores de sua vela sagrada são o vermelho e o rosa.

AGNI: Deus hindu que assume três formas: sol, luz e fogo. A cor de sua vela sagrada é o vermelho.

AMATERASU-O-MI-KAMI: Deusa-Solar japonesa. As cores de sua vela sagrada são o amarelo e o dourado.

AMON (ou Amen): Deus egípcio da vida, reprodução e agricultura; é representado como um homem com cabeça de carneiro. A cor de sua vela sagrada é o verde.

ANAITIS: Deusa persa da Fertilidade. A cor de sua vela sagrada é o verde.

ANU: Deusa-Mãe, Deusa do Amanhecer e Deusa da Morte e dos Mortos. As cores de sua vela sagrada são o preto e o branco.

ANÚBIS: Deus egípcio da morte e da magia negra, que aparece em forma de cachorro, ou homem com cabeça de chacal. Na mitologia egípcia, tratava-se do filho de Néftis e às vezes sua importância rivalizava com a do grande deus Osíris. A cor de sua vela sagrada é o preto.

AODH: Deusa-ígnea celta. A cor de sua vela sagrada é o vermelho.

APOLO: Deus grego do sol, fertilidade, profecias e oráculos, assim como uma deidade associada à luz, cura, música e poesia. Na mitologia grega, era o filho de Zeus, irmão gémeo da Deusa da Lua Artemis e um entre os Doze Grandes do Olimpo. As cores de sua vela sagrada são o dourado e o branco.

ARRIANRHOD: Deusa-Mãe e deusa neopagã galesa da fertilidade. As cores de sua vela sagrada são o verde e o branco.

ARTEMIS: Deusa grega da lua, caça e animais selvagens. Sendo uma deusa lunar, tem sido um arquétipo influente para Bruxas e seguidores do culto contemporâneo à Deusa. Equivale à Deusa romana da Lua, Diana, e se identifica com Luna, Hécate e Selene. As cores sagradas de sua vela são o prateado e o branco.

ASHERALI: Deusa da lua e da fertilidade do cananeu. As cores de sua vela sagrada são o verde, o branco e o prateado.

ASTARTE: Deusa fenícia do amor e da fertilidade. Identifica-se com a lua e é representada com crescentes em forma de chifres. As cores de sua vela sagrada são o rosa, o verde, o vermelho e o prateado.

ASTRÉIA: Deusa grega da inocência e da pureza, filha de Temis, a deusa da Justiça. Conta o mito que, após abandonar a Terra, ela foi colocada entre as estrelas, onde se tornou a constelação de Virgem. A cor de sua vela sagrada é o branco.

ATENA: Deusa grega da sabedoria e das artes, e uma entre os Doze Grandes do Olimpo. Identifica-se com a deusa romana Minerva, e as cores de sua vela sagrada são o roxo e o branco.

ATTIS: Deus da fertilidade e da vegetação para os frígios e consorte da Deusa da Fertilidade, Cibele. A cor de sua vela sagrada é o verde.

BAAL: Deus fenício da natureza e da fertilidade, associado à chuva de inverno. Representado como um guerreiro de capacete com chifres e munido de lança, foi adorado como o principal deus da Terra, por milhares de anos. A cor de sua vela sagrada é o verde.

BACO: Deus romano do vinho e da algazarra; identifica-se com o Deus grego do Vinho, Dionísio. Na mitologia, era filho das deidades Zeus e Semeie e consorte de Ariadne. As cores de sua vela sagrada são o vermelho e o roxo.

BALDER: Deus do Sol escandinavo, filho de Odin, e personificação da sabedoria, bondade e beleza. As cores de sua vela sagrada são o amarelo e o dourado.

BAST: Deusa egípcia da Fertilidade e filha de Isis, também conhecida como Filha da Luz. Confere saúde e simboliza paixão sexual. Nos tempos antigos, era adorada na forma de gato e, mais tarde, como uma mulher com cabeça de gato. Na bruxaria e cultos sexuais mágicos da atualidade, Bast é uma das mais populares entre as antigas Deusas Egípcias. As cores de sua vela sagrada são o vermelho, o verde e o branco.

BENTEN: Deusa do Amor dos budistas japoneses. É também a deusa da feminilidade, da música, da literatura e do mar. A cor de sua vela sagrada é o rosa.

BRIGIT: Deusa celta e neopagã do fogo, da sabedoria, da poesia e dos poços sagrados, além de ser uma deidade associada com profecia, vidência e cura. As cores de sua vela sagrada são o vermelho e o branco.

CE-AEHD: Deusa celta da natureza. A cor de sua vela sagrada é o verde.

CEARA: Antiga deusa pagã da natureza; é a equivalência feminina do deus Cearas. A cor de sua vela sagrada é o verde.

CEARAS: Antigo deus pagão do fogo e equivalente masculino da deusa Ceara. A cor de sua vela sagrada é o vermelho.

CENTEOTLE: Deusa mexicana da fertilidade. A cor de sua vela sagrada é o verde.

CERES: Deusa romana da colheita e fertilidade da Terra e mãe de Prosérpina. Na mitologia grega, ela é Demeter, a deusa da agricultura e mãe de Perséfone. As cores de sua vela sagrada são o verde, o laranja, o marrom e o amarelo.

CERNUNOS: Deus cornífero celta da natureza, dos animais selvagens, da caça e da fertilidade, "Senhor de Todas as Criaturas Vivas", e consorte da Grande Mãe. Ele é representado com cabeça de touro, torso de homem e cauda de peixe. Como deus neo-pagão, é reverenciado principalmente por seguidores da Wicca de tradição gardneriana. A cor de sua vela sagrada é o verde-escuro.

CERRIDWEN: Deusa celta e neo-pagã das montanhas, da fertilidade e da inspiração. A cor de sua vela sagrada é o verde.

CHERNOBOG: Deus eslavo das tempestades e da guerra, também conhecido como Trovão e Lançador de Relâmpagos. A cor de sua vela sagrada é o vermelho.


CHU-JUNG: Deus chinês do fogo. A cor de sua vela sagrada é o vermelho.

CIBELE: Deusa frígia da natureza e da fertilidade, consorte do Deus Attis e equivalente à Deusa-Mãe grega Réia. Cibele está simbolicamente associada aos animais selvagens e montanhas, e no mito é representada dentro de uma carruagem puxada por leões. A cor de sua vela sagrada é o verde.

CLÓRIS: Deusa grega das flores e equivalente da Deusa romana das flores, Flora. As cores de sua vela sagrada são o branco e todas as cores florais.

DAGHDA: Deus principal das tribos pagãs da Irlanda, "Senhor do Grande Conhecimento", e Deus da Fertilidade e da Terra. Acreditava-se que ele controlava a vida e a morte com um porrete e que possuía um caldeirão com magias poderosas As cores de sua vela sagrada são o verde e o marrom.

DAZHBOG: Deus eslavo do Sol e consorte/irmão da Deusa Zhiva. As cores de sua vela sagrada são o amarelo, o dourado e o laranja-avermelhado.

DEMETER: Deusa grega da fertilidade, do cultivo agrícola e da colheita, mãe de Perséfone e uma importante deidade nos mistérios de Elêusis. Identifica-se com a deusa romana Ceres; as cores de sua vela sagrada são o verde e o laranja.

DEUSA TRÍPLICE: Uma trindade de Deusas com três diferentes aspectos e três diferentes nomes. A Mãe Lua é adorada como uma Deusa Tríplice cujo símbolo sagrado é a lua crescente. Os três aspectos de sua deidade correspondem às três fases lunares: em sua fase crescente ela é Selene, a mãe e doadora de luz. A lua cheia é Diana, a caçadora. Em sua fase minguante ela é Hécate, a sábia anciã e Rainha da morte e da escuridão. Nos mitos nórdicos, a trindade da Deusa Tríplice é Freya (deusa do amor e da beleza), Frigga (deusa-mãe) e Hei (rainha da morte e governante do mundo subterrâneo). Os múltiplos aspectos da deusa celta Morrigan são: Macha, Badb e Neman. Até Maria, dos mitos cristãos, é tanto uma trindade como qualquer antiga deusa paga, embora seus seguidores não a descrevam como tal. Ela incorpora os atributos encontrados nas deidades femininas de outras culturas (Virgem, Mãe, Santa), mas, suprimida por uma hierarquia paternal, sua adoração como Deusa é negada até por aqueles que assistem aos seus ritos. As cores da vela sagrada da Deusa Tríplice são o verde (mãe), o vermelho (guerreira) e o preto (anciã). Há também trindades de Deuses masculinos, como a trimurti hindu de Brahma, Vishnu e Shiva; a tríade grega de deuses solares Apolo, Hélio e Febo; e a bem conhecida união cristã das três figuras divinas Pai, Filho e Espírito Santo em uma única deidade. As cores da vela sagrada dos Deuses Tríplices variam, visto que os três aspectos dos deuses nem sempre são os mesmos em cada trindade.

DEW: Deusa grega da fertilidade. A cor de sua vela sagrada é o verde.

DIANA: Deusa da Lua, Deusa-Mãe e virgem caçadora da lua romana e neopagã. Identifica-se com a Deusa da Lua grega Ártemis e é reverenciada principalmente pelos seguidores da tradição Wicca diânica. As cores de sua vela sagrada são o prateado e o branco.

DIONISO: Deus grego do vinho, êxtase, fertilidade e natureza, era adorado em orgias frenéticas. Simboliza liberdade e impulsos espontâneos, sendo equivalente ao Deus romano do Vinho, Baco. As cores de sua vela sagrada são o vermelho, o roxo e o verde.

DURGA (também Durva): Deusa hindu e consorte do Deus Shiva; era adorada em toda a índia, mas especialmente em Bengala. Durga é representada como feroz assassina de um dragão e tem dez braços, mas é dito que ela é amorosa e gentil para com seus adoradores. A cor de sua vela sagrada é o vermelho.

DYAUS: Deus do Céu indo-europeu, consorte da Deusa da Terra, Prithivi, e pai de Indra. A cor de sua vela sagrada é o azul.

EA: Deus babilônio da água, senhor da sabedoria e patrono da magia, artes e ofícios; identifica-se com o deus sumeriano Enk. Acredita-se que o simbolismo do signo astrológico de Capricórnio derive de Ea, visto que ele é representado com corpo de cabrito e cauda de peixe. A cor de sua vela sagrada é o azul.

EOSTRE: Deusa saxônia e neo-pagã da fertilidade e da primavera, de cujo nome deriva o nome do feriado da Páscoa [Easter]. A cor de sua vela sagrada é o verde.

EPONA: Deusa-Égua celta, cuja vela sagrada tem cor branca.

ERESHKIGAL: Deusa-Cornífera sumeriana e Rainha do Mundo subterrâneo. Identifica-se com a Deusa grega da Lua, Hécate, e é representada com o corpo de um peixe que possui escamas como as de serpente e orelhas de ovelha. A cor de sua vela sagrada é o preto.

EROS: Deus grego do amor e da sexualidade, o mitológico Filho de Zeus e Afrodite é a personificação da paixão humana. Identifica-se com Cupido, o deus romano do amor e filho de Vênus. A cor de sua vela sagrada é o vermelho.

ESMERALDA: Deusa sul-americana do amor. A cor de sua vela sagrada é, logicamente, o verde-esmeralda.

EXU: Deus da magia na macumba. As cores de sua vela sagrada são o branco e o preto.

FAUNO: Deus romano dos bosques, campos e pastores. Representado como meio cabrito e meio humano, é equivalente ao Deus grego da Natureza, Pan. A cor de sua vela sagrada é verde.

FLORA: Deusa romana das flores e de "tudo que floresce". É equivalente à Deusa grega das Flores, Clóris. As cores de sua vela sagrada são o branco e todas as cores florais.

FORTUNA: Deusa romana da felicidade, sorte e oportunidade, que possui o poder de conferir aos mortais tanto riqueza quanto pobreza. É identificada com a Deusa grega, Tício. As cores de sua vela sagrada são o verde, o dourado e o prateado.

FREY: Deus escandinavo da fertilidade, adequadamente representado com um falo erecto indicativo de seu poder fertilizador. É também uma deidade associada com paz e prosperidade. Na mitologia, ele é irmão e consorte da deusa Freya e filho do deus do mar, Njord. A cor de sua vela sagrada é o verde.

FREYA (também Freyja): Deusa escandinava da fertilidade, do amor e da beleza, cujos símbolos sagrados e familiares eram os gatos. No mito encontra-se representada como uma bela mulher andando numa carruagem puxada por gatos. Era também a Rainha do Mundo Subterrâneo e irmã e consorte do Deus Frey. Como deusa neopagã, é reverenciada principalmente por seguidores da Wicca de tradição saxônia. As cores de sua vela sagrada são o verde, o vermelho e o preto.

FRIGGA: Deusa-Mãe escandinava e consorte do Deus Odin. Ela era também patronesse do casamento e da fecundidade. No mito é representada andando numa carruagem puxada por carneiros sagrados. A cor de sua vela sagrada é o branco.

FRIJA: Mãe-da-Terra pagã-germânica e consorte do Deus Tiwaz. O dia da semana a ela consagrado é a sexta-feira. A cor de sua vela sagrada é o marrom.

HADES: Deus grego do Mundo Subterrâneo, governante dos mortos e irmão do todo-poderoso Zeus. Na mitologia romana denomina-se Plutão. A cor de sua vela sagrada é o preto.

HATHOR: Deusa egípcia da beleza e dos céus, patronesse da fecundidade, das criancinhas e da música. Frequentemente é representada como uma mulher de cabeça de vaca, que usa um diadema com duas plumas e um disco solar decorado com estrelas simbolizando seu papel de Deusa celestial. A cor de sua vela sagrada é o azul.

HÉCATE: Deusa grega da Lua, deusa neo-pagã da fertilidade e da magia da lua, Rainha do Mundo subterrâneo e protectora de todas as Bruxas. Conhecida como "Deusa da Escuridão e da Morte", assim como "Rainha dos Fantasmas e das Encruzilhadas", identifica-se com a deusa lunar Diana e com a deusa grega Perséfone. As cores de sua vela sagrada são o preto e o prateado.

HERA: Deusa grega da morte e do renascimento, Deusa da Terra e consorte de Zeus. As cores de sua vela sagrada são o preto e o marrom-escuro.

HÉSTIA: Deusa grega da Lareira. A cor de sua vela sagrada é o vermelho.

HÓRUS:Deus egípcio do céu e filho de Isis e Osíris. E representado como um homem com cabeça de falcão, tendo por olhos o sol e a lua. A cor de sua vela sagrada é o azul-real.

INANNA: Deusa sumeriana tanto do amor quanto da guerra, que se identifica com a deusa babilônia Ishtar. A cor de sua vela sagrada é o vermelho.

ISHTAR: Deusa assíria, babilónia e neo-pagã do amor, da fertilidade e da guerra, que personifica o planeta Vênus. Era uma Deusa-Mãe e consorte de Tamuz, o Deus dos cereais e do pão que morria a cada inverno e renascia na primavera seguinte. Sendo uma deusa tríplice, ela representa nascimento, morte e renascimento. Em seu aspecto de Mãe, é a doadora de toda a vida. Em seu aspecto de Donzela-Guerreira, é aquela que traz a morte. Em seu aspecto de Anciã, traz renascimento e ressurreição. A lua crescente é um de seus símbolos sagrados. Ishtar é representada como uma mulher de feições de pássaro e cabelo trançado, que usa chifres de touro e preciosos colares, braceletes e tornozeleiras como adorno. É associada à deusa sumeriana Inanna e com a deusa fenícia Astarte. As cores de sua vela sagrada são o vermelho e o verde.

ÍSIS: Antiga Deusa-Mãe egípcia da fertilidade e deusa neopagã da magia e encantamento. Era irmã e consorte do Deus solar Osíris e às vezes era identificada com a deusa Hathor. Isis é o símbolo da maternidade divina e, em seus mistérios, era considerada como a única forma de todos os deuses e deusas. Costuma ser chamada de "Deusa dos Dez Mil Nomes". Em Hellespont (agora Dardanelles), era conhecida como Mystis, a Senhora dos Mistérios. A cor de sua vela sagrada é o verde.

JANO: Deus romano dos portões e portas, é a deidade associada com viagens e o começo das coisas. É representado como tendo dois rostos, cada um olhando em direções opostas. Seu festival acontecia em janeiro, e a cor de sua vela sagrada é o branco.

KALI: Deusa hindu da Morte, personifica as forças escuras e aterradoras da natureza. É representada como uma mulher de aspecto guerreiro, de pele escura e dentes caninos salientes, que usa um colar de caveiras humanas em torno do pescoço. A cor de sua vela sagrada é o preto.

KHONS: Um dos sagrados Deuses da Lua do antigo Egito. Era também conhecido como um deus de cura, e as cores de sua vela sagrada são o prateado e o branco.

KILYA: Deusa inca da Lua. As cores de sua vela sagrada são o prateado e o branco.

KUAN YIN: Deusa chinesa da fertilidade, do parto e da compaixão. A cor de sua vela sagrada é o verde.

KUPALA: Deusa eslava da vida, do sexo e da vitalidade. É reverenciada no Dia do Meio do Verão, e a cor de sua vela sagrada é o vermelho.

LOKI: Deus escandinavo do fogo. A cor de sua vela sagrada é o vermelho.

LUCINA: Deusa romana da Lua, associada ao parto. As cores de sua vela sagrada são prateado e branco.

LUGH: Primitivo Deus celta do Sol, adorado pelos antigos druidas como o Doador Abundante da Colheita. O festival do Sabbat pagão de Lughnasadh (que significa "Comemoração de Lugh") originou-se com os druidas para prestar homenagem ao Deus-Sol. As cores de sua vela sagrada são o amarelo, o dourado e o bronze.

LUNA: Deusa da Lua romana e neo-pagã, cujo nome é o termo em latim para "lua". Identifica-se com Selene e Artemis, e as cores de sua vela sagrada são o branco e o prateado.

LUPERCUS: Deus romano da fertilidade, identifica-se com os deuses da natureza Pan e Fauno. Na antiga Roma, seu festival da fertilidade era conhecido como Lupercalia, no dia 15 de fevereiro. A cor de sua vela sagrada é o verde.

MAAT: Deusa egípcia da verdade, justiça e ordem do universo, cujo símbolo era uma pena. A cor de sua vela sagrada é o branco.

MIN: Deus egípcio da fertilidade e protector dos viajantes. As cores de sua vela sagrada são o verde e o branco.

MORRIGAN: Deusa celta da Guerra, morte e destruição, e mãe de todos os deuses irlandeses. Dizem que ela aparece em forma de corvo (um pássaro de mau augúrio na tradição celta) antes e durante as batalhas. E também conhecida como "Rainha Espectro" e "Grande Rainha Morgana". Como Deusa Trindade, chamava-se Macha, quando fazia magia com o sangue dos assassinados; Badb, quando aparecia na forma de uma gigante, às vésperas da guerra, para avisar os soldados de seu destino; e Neman, quando aparecia como anciã. As cores de sua vela sagrada são o escarlate e o preto.

MUT: Deusa egípcia da fertilidade. A cor de sua vela sagrada é o verde.

MYLITTA: Deusa babilônia da fertilidade. A cor de sua vela sagrada é o verde.

NÉMESIS: Deusa grega da ira e da vingança e filha mitológica de Erebo e Nyx. A cor de sua vela sagrada é o vermelho.

NETUNO: Deus romano do mar, irmão de Zeus e equivalente ao Deus grego do Mar, Poseidon. A cor de sua vela sagrada é o azul.

NINHURSAG: Deusa mesopotâmia da Terra e consorte de Ea. A cor de sua vela sagrada é o marrom-escuro.

ISIJORD: Deus escandinavo do mar e patrono dos pescadores. Também conhecido como deus da prosperidade. A cor de sua vela sagrada é a água-marinha.

NUT (também Nuit)
Deusa egípcia do Céu e mãe de Osíris, Isis, Set e Néftis. A cor de sua vela sagrada é o azul-real.

NYX: Deusa grega da noite, irmã e consorte de Erebo, o senhor das trevas. Identifica-se com a deusa romana Nox. A cor de sua vela sagrada é o preto.

ODIN: Deus escandinavo e neopagão da sabedoria, magia, arte e poesia. É também o Senhor dos Mortos e o consorte da deusa Frigga. Segundo a mitologia nórdica, Odin lutava contra gigantes, seduzia mortais e despertava os mortos em sua busca pela sabedoria do oculto e poder absoluto. Representam-no como um velho de um só olho, usando um anel mágico e montando um cavalo de oito pernas. É equivalente ao deus pagão-germânico Woden. As cores de sua vela sagrada são o roxo, o vermelho e o preto.

OSÍRIS: Antigo deus egípcio da vegetação e da fertilidade, cuja morte e renascimento, a cada ano, personificavam a vitalidade e a fertilidade auto-renovadora da natureza. Ele também era um governante da morte e tanto irmão quanto consorte da deusa Isis. Segundo a mitologia egípcia, Osíris foi afogado e desmembrado em quatorze pedaços por seu irmão ciumento, Set, mas depois recobrou a vida graças aos poderes mágicos de Isis. As cores de sua vela sagrada são o verde e o preto.

PAN: Deus Cornífero grego e neo-pagão dos bosques, dos campos, dos pastores e da fertilidade; muitas vezes é associado ao culto de Dionísio. É representado como um homem de barbas, tendo pernas, chifres e orelhas de cabrito, e equivale à deidade romana da natureza, Fauno. A cor de sua vela sagrada é o verde.

PARVATI: Deusa hindu das montanhas e consorte do deus Shiva. Conhecida como a governante dos elfos e espíritos da natureza, é filha dos himalaias e uma personificação da energia cósmica. As cores de sua vela sagrada são o branco e o marrom.

PELE: Deusa polinésia dos vulcões que, acredita-se, reside atualmente em Kilauea na principal ilha de Mauna Loa, Havaí, onde é adorada como sendo a essência do fogo da Terra. Até hoje, várias ofertas, como flores, cana-de-açúcar, pássaros brancos, dinheiro e conhaque, são feitas a ela, sempre que as erupções vulcânicas ameaçam as ilhas havaianas. As cores de sua vela sagrada são o vermelho e o laranja.

PERSÉFONE: Deusa grega conhecida como a Rainha do Mundo subterrâneo. Equivale à deusa romana Prosérpina. A cor de sua vela sagrada é o preto.

POMONA: Deusa romana das frutas e da fertilidade. É a consorte do deus Vertumno (o modificador), e seu festival da Pomonália era celebrado na antiga Roma no primeiro dia de novembro, marcando o fim da colheita. A cor de sua vela sagrada é o verde.

POSEIDON: Deus grego do mar e um dos Doze Grandes do Olimpo, cujo equivalente romano é Netuno. A cor de sua vela sagrada é o azul-claro.

PTAH: Deus do antigo Egipto, tido como o criador do universo e o patrono dos arquitectos, escultores e artesãos. Era consorte da deusa cabeça de leão Sekhmet, e seu culto concentrava-se em Mênfis, no Egipto, onde tanto ele quanto a esposa eram adorados. A cor de sua vela sagrada é o branco.

QUETZALCOATL: Deus asteca da fertilidade, vento e sabedoria, personificado como uma serpente emplumada e associado à Estrela da Manhã. As cores de sua vela sagrada são o bronze e o verde. Segundo o mito, o irmão gêmeo de Quetzalcoatl era Xolotl, deus patrono dos magos. Ele personificava o planeta Vênus como a Estrela do Anoitecer. A cor de sua vela sagrada é o preto.

RA: Deus-Sol egípcio; identificado como um deus do nascimento e renascimento. Era adorado em Heliópolis e a principal deidade no Ennead. A cor de sua vela sagrada é o dourado.

RHIANNON: Deusa-Mãe celta/galesa, originalmente chamada Rigatona (Grande Rainha) e identificada com a deusa-égua gaulesa, Epona. É retratada montando um pálido cavalo branco e carregando uma bolsa mágica de abundância. A cor de sua vela sagrada é o branco.

SATURNO: Deus romano da agricultura e da colheita, cujo festival, a Saturnália, acontecia anualmente na antiga Roma em meados de dezembro. Identifica-se com o deus grego Cromo, e a cor de sua vela sagrada é o laranja.

SEKHMET: Deusa da Guerra do antigo Egipto e consorte do deus Ptah. Representada como uma mulher com cabeça de leão, é a equivalência egípcia da deusa hindu Shakti. A cor de sua vela sagrada é o carmim.

SELENE: Deusa grega da Lua em seu aspecto crescente. Em seu aspecto minguante, chama-se Hécate. As cores de sua vela sagrada são o prateado e o branco.

SET (também Seth): Deus egípcio da escuridão e da magia negra, é a personificação do mal. E o equivalente egípcio do deus grego Tífon. A cor de sua vela sagrada é o preto.

SHAMASH: Deus-Sol babilônio, irmão da deusa Ishtar e uma deidade associada aos oráculos e profecias. Identifica-se com o deus sumeriano Utu e com o deus grego Apoio. A cor de sua vela sagrada é o amarelo.

SILVANO: Deus romano das florestas, campos e rebanhos, representado como um sátiro de barbas. A cor de sua vela sagrada é o verde-escuro.

SIN: Deus babilônio da lua; identifica-se com o deus sumeriano Nanna. A cor de sua vela sagrada é o branco.

SVAROG: Deus eslavo do fogo e da metalurgia, cujo símbolo é o martelo e a pinça de prata. E o consorte da Grande Mãe, e as cores de sua vela sagrada são o vermelho e o prateado.

TANE: Deus do Céu polinésio e Senhor da Fertilidade, considerado o criador do primeiro homem a partir do barro vermelho. O amuleto tiki (uma figura humana feita de madeira e madre-pérola) é o símbolo do poder criador de Tane. As cores de sua vela sagrada são o azul e o verde.

THANATOS: Deus grego da morte, cujo equivalente romano é o deus Mors. A cor de sua vela sagrada é o preto.

THOR: Deus do Céu escandinavo, Mestre dos Raios, filho de Odin e patrono dos fazendeiros e dos marinheiros. Representado como um homem forte, mas simpático, com cabelo desalinhado e longa barba ruiva. O martelo é seu símbolo, e o azul-escuro, a cor de sua vela sagrada.

THOTH: Deus egípcio da lua, sabedoria, magia, artes e ciência. Era também conhecido como o escriba dos deuses. E representado como uma íbis, um homem com cabeça de íbis e também como um macaco. A deusa da verdade, Maat, era sua consorte, e o primeiro mês do ano egípcio levava seu nome. As cores de sua vela sagrada são o branco, o prateado e o roxo.

THUNOR (também Donar): Deus pagão-germânico do Trovão e do Relâmpago e deidade associada à fertilidade. Seu dia sagrado da semana é quinta-feira, e o azul-escuro, o preto e o verde são as cores de sua vela sagrada.

TIWAZ: Deus pagão-germânico do Céu e consorte da deusa Frija. A cor de sua vela sagrada é o azul.

TLAZOLTEOTL: Deusa da Terra da América Central associada à fertilidade e ao amor. É também conhecida como "Mãe de Todos os Deuses". As cores de sua vela sagrada são o marrom e o verde.

URANO (também Ouranos): Antigo deus grego conhecido como Pai do Céu. Era o consorte da deusa Géia e personificava os céus. A cor de sua vela sagrada é o azul.

VÊNUS: Deusa romana e neo-pagã do amor e da beleza que personificava sexualidade, fertilidade, prosperidade e sorte. É a contraparte romana da Deusa grega do Amor, Afrodite. A cor de sua vela sagrada é o rosa.

VESTA: Deusa romana da Lareira, cujo templo era aceso pelo fogo sagrado vigiado por seis sacerdotisas virgens conhecidas como Vestais. A cor de sua vela sagrada é o vermelho.

WODEN: Deus pagão-germânico da guerra, artes do bardo (poesia), profecia e magia, cujo dia sagrado da semana é a quarta-feira. Era conhecido também como o Senhor dos Mortos, o primordial mestre das runas e o deus da mudança de forma. A mitologia mostra Woden como a mais elevada deidade do panteão germânico. O nome "Woden" é a forma inglesa do nome que deriva de uma forma de protogermânico Wodhan-az, que significa "mestre da atividade psíquica inspirada". Como deus neopagão, é adorado principalmente por seguidores da Wicca de tradição saxônia e freqüentemente identificado com o deus escandinavo Odin, a mais poderosa das deidades teutônicas. As cores de sua vela sagrada são o vermelho e o roxo.

XOCHIQUETZAL: Deusa centro-americana das flores. As cores de sua vela sagrada são o branco e todas as cores florais.

YARILO: Deus eslavo da Fertilidade e consorte da Deusa Lunar Marina. A cor de sua vela sagrada é o verde.

ZEUS: O mais poderoso dos deuses gregos, governante do céu e da terra, filho de Cronos e Réia. Era conhecido também como o Apanhador de Nuvens, Senhor dos Raios e mestre da mudança de forma. O carvalho era sua árvore sagrada; a águia, o pássaro; e o dourado, a cor de sua vela sagrada.