Siga por e-mail

Seguidores

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Núcleo e consagração da Varinha Mágica

Ver fonte abaixo

Dentre os instrumentos mágicos mais comumente utilizados o que causa mais controvérsia entre os praticantes é o bastão ou varinha mágica. Para uma boa parte dos bruxos estes dois termos são inclusive sinônimos, até porque em inglês a palavra utilizada para descrever os dois tipos é a mesma: wand.
Porque então, eu resolvi denominar dois instrumentos diferentes? Por causa do tamanho, materiais utilizados e forma de criar e consagrar.

E onde está a tal controvérsia que eu citei na introdução? Primeiro, em relação ao tamanho, nem todos os praticantes aderem ao comprimento mínimo tradicional para o bastão. Segundo, em relação ao quadrante onde será colocado o bastão ou varinha. Boa parte dos bruxos associa o bastão ao Fogo e ao Sul, enquanto que alguns associam ao Ar e ao Leste, voltaremos a este tópico mais adiante. E por fim, em relação aos materiais que podem ou não ser utilizados para se fazer um bastão ou varinha.

De modo geral, um bastão mágico deve ter no mínimo o comprimento de sua mão somado ao comprimento de seu antebraço, a distância que vai da ponta de seu dedo médio à ponta de seu cotovelo. Existem exceções a esta regra, que são os bastões feitos de pedra e os bastões utilizados na terapia com cristais. Bastões podem ser feitos de madeira, metal ou pedra.

Existe uma crença dentro da Wicca de que não se deve cortar um galho para se fazer um bastão, deve-se encontrar um galho já caído de uma árvore. Mas se você precisar cortar um galho para fazer seu bastão, peça antes a permissão da árvore e peça a ela que retire sua energia vital daquela parte para que ela não sofra quando você cortar (sim, para mim as árvores sofrem quando são cortadas). Você poderá sentir quando árvore retirar a energia vital do galho que você quer, entre outros sinais, a temperatura da parte a ser cortada cai em relação ao resto da árvore. Corte o galho da forma mais rápida e eficiente possível e deixe uma oferenda para a árvore ou cuide de algum problema que ela tiver.

Uma vez que você consiga seu galho é hora de trabalhar seu bastão mágico. Aqui, as opiniões divergem, lembra da controvérsia que eu citei no início? Pois bem, alguns praticantes afirmam que o bastão deve ser utilizado da forma como foi encontrado na natureza, o máximo que você pode fazer com ele é tirar a casca da madeira e amarrar coisas. Outros praticantes, e nesta categoria me incluo, acreditam que  você pode fazer o que quiser com seu bastão de madeira, pirografar, colocar cristais na ponta, enrolar fitas, pintar, pode decorar do jeito que você quiser.

Dentre os que gostam de colocar pedras na ponta de seus bastões ainda existe a controvérsia sobre os materiais “aceitáveis” para se prender a pedra no bastão. Existem bruxos que argumentam contra o uso de materiais adesivos como epóxi alegando que não são materiais “naturais”. Mas o que exatamente é um material natural? Se tudo faz parte da natureza, nós inclusive, os materiais criados por nós também não seriam naturais? Se o objetivo for designar por naturais materiais não poluentes, não creio que o problema se aplique aqui, uma vez que o bastão não será jogado no lixo. O fato é que alguns bruxos alegam que a energia não flui bem se você usa adesivos para fixar os cristais em seu bastão. Um dos princípios que regem o funcionamento da magia diz que a realidade é aquilo que você acredita que ela seja. Se um bruxo acredita que seu bastão não vai conduzir bem energia se as pedras forem presas com epóxi, então para ele ou ela a energia não vai fluir como deveria. Eu não imponho esta limitação a minha magia, logo nunca tive problemas em fixar pedras em bastões com epóxi.

Outro tipo interessante de bastão é aquele feito de metal. É muito fácil fazer um bastão de cobre, por exemplo. Em qualquer loja de metais você encontra canos de cobre de vários diâmetros diferentes. E você encontra também uma tampinha para fechar o cano. Uma vez cortado o cano no tamanho que você quer, você pode encher o bastão com ervas, pequenas pedras, penas, mechas de cabelo ou outros itens, de acordo com o uso que você dará para o bastão ou as divindades que você cultua. Recomendo que você complete o volume do bastão com algodão ou cera de abelha, do contrário seus itens ficarão chacoalhando quando você usar o bastão (e isso pode ser uma distração durante um ritual ou meditação). Você pode encontrar uma ponta de cristal que se encaixe em seu bastão de metal, e se você tiver sorte, nem precisará usar cola. 

Bastões de pedra são também muito utilizados. Ao contrário dos de madeira ou metal, um bastão de pedra será pequeno, normalmente do tamanho de sua mão, mas quando bem utilizado, pode ser extremamente poderoso.

E quanto às varinhas? As varinhas mágicas ficaram famosas por causa dos livros de Harry Potter e muitos bruxos começaram a usar varinhas justamente depois de ler os livros e/ou ver os filmes. De modo geral, uma varinha mágica é bem mais fina do que um bastão mágico. Um bastão mágico, seja de madeira, metal ou pedra costuma ser tão grosso quanto seu dedo médio, ou mais. A varinha é normalmente bem mais fina. E ao contrário da maioria dos bastões, a varinha é mais grossa na base e mais fina na ponta, fazendo um formato parecido com o de uma agulha.

Existem varinhas feitas de estanho ou cobre, decoradas ou não e elas funcionam muito bem. Mas, de modo geral, varinhas mágicas são feitas de madeira. E é neste caso que se diz que a varinha escolhe o bruxo, porque não é você quem vai escolher a varinha, é ela quem vai te escolher, ou melhor, é a madeira da qual ela é feita que vai te dizer se aquela varinha serve para você ou não. Você precisa ser compatível com a madeira para que a varinha funcione para você. E como você vai saber se é compatível com a madeira? Tocando-a e deixando que sua energia flua através dela. Se você sentir que sua energia flui bem pela madeira, significa que você é compatível com ela. Se você não for compatível, vai perceber imediatamente.

Apesar de ser um instrumento ligado ao Fogo, a madeira de que é feita a varinha é que vai determinar de que elemento ela realmente é. Uma varinha de macieira, por exemplo, é uma varinha do elemento Ar. Uma varinha de sucupira é uma varinha do elemento Terra. Uma varinha de salgueiro é uma varinha da Água. Uma varinha de Jacarandá é uma varinha do elemento Fogo. Isso significa que você terá que usar a varinha como instrumento daquele elemento ou quadrante? Não, significa apenas que você vai usar a varinha de um elemento para objetivos relacionados ao elemento. Ou, no caso da escolha de sua varinha principal, você vai escolher uma varinha cujo elemento seja compatível com você, ou uma do elemento que você quer reforçar em sua magia. Vamos a alguns exemplos: Fulano é um bruxo da água. Para reforçar sua natureza e aumentar seu poder, ele 
poderia escolher como varinha principal uma que seja feita de uma das madeiras ligadas á Água, como salgueiro ou Amendoeira. Mas vamos supor que o elemento com o qual o fulano tem mais dificuldade é o Ar. Ele poderia escolher uma varinha feita de alguma madeira ligada ao Ar, de forma que, ao usar a varinha, ela possa compensar sua dificuldade com este elemento.

E quanto ao famoso núcleo de que falam os livros de Harry Potter? Você pode ter isso também, com algumas modificações. Seu núcleo pode estar relacionado a uma criatura mística ou animal. Em ambas as situações você não colocará em sua varinha um pedaço do animal ou criatura mística, e sim a energia. Por exemplo, vamos imaginar que você queria para a sua varinha um núcleo de pena de fênix. Uma vez que sua varinha esteja pronta, você vai fazer um ritual para contatar uma fênix e pedir a energia dela para a sua varinha. A fênix então te dará uma pena cuja energia será inserida na madeira de sua varinha. O mesmo vale para os dragões, só que no caso, você pedirá uma escama. Nada de pedir corda de coração de Dragão! Você também pode pedir pelos de unicórnio, fios de cabelo de sereias, penas de grifo, pelos de esfinge, essência de fadas, garras de gárgula, entre outros. Em relação aos animais você vai obter pelos, penas, escamas ou pele, dependendo do animal que você escolher. Tudo isso, é claro, será feito astralmente, falando com o espírito-essência do animal.

Com relação ao uso, a varinha e o bastão são equivalentes, eles podem ser usados para traçar círculos, consagrar coisas, energizar feitiços, ervas, pedras e demais objetos e para direcionar qualquer energia que você queira. Eles também podem ser usados para banir energias indesejadas, fazer feitiços de ocultação ou de atração e para reforçar ou diminuir qualquer qualidade sua ou de qualquer objeto.
Consagração da varinha ou bastão mágico

Uma vez que sua varinha ou bastão estejam prontos, é hora de consagrar e dar poder a seu novo instrumento mágico. Para isso você vai precisar de seu athame (se você tiver um), um cálice com água, um cristal, incenso e incensário e uma vela. Se você desejar pode fazer um óleo de consagração e usar para untar sua varinha (não passe muito para não manchar a madeira). Lembre-se de purificar todos os itens que você vai usar, o ambiente do ritual e a si mesmo.

Trace seu círculo como de costume, se você não tiver um athame, pode traçar o círculo com os dedos indicador e médio de sua mão de poder (depois deste ritual você vai poder usar sua varinha para traçar o círculo). Chame os quadrantes e sua Deusa e Deus de devoção. Chame também a criatura mística ou espírito animal cuja essência você deseja colocar no núcleo de sua varinha.

Toque a varinha no cristal e diga: “Eu te purifico e te consagro pela força da Terra. Retiro todas as energias que não sejam compatíveis com minha magia e em seu lugar acrescento o poder da terra, trago firmeza e realização, trago raízes e concretização, trago o poder da manifestação.”
Passe a varinha pela fumaça do incenso e diga: “Eu te purifico e te consagro pela precisão do Ar. Retiro todas as energias que não sejam compatíveis com minha magia e em seu lugar acrescento o poder do Ar, trago bom senso e criatividade, trago alegria e liberdade, trago o poder da verdade.”

Passe a varinha pela chama da vela e diga: “Eu te purifico e te consagro pela energia do Fogo. Retiro todas as energias que não sejam compatíveis com minha magia e em seu lugar acrescento o poder do Fogo, trago garra e paixão, trago coragem e intuição, trago o poder da transformação.”

Passe um pouco da água do cálice na varinha e diga: “Eu te purifico e te consagro pela fluidez da Água. Retiro todas as energias que não sejam compatíveis com minha magia e em seu lugar acrescento o poder da Água, trago amor e harmonia, trago compreensão e sabedoria, trago o poder puro da magia.”

Segure a varinha de forma que a ponta fique encostada na altura de seu coração e a base fique voltado para frente e apresente-a para a Deusa e o Deus, dizendo: “Grande Senhora (nomes e títulos da Deusa de sua escolha) e Grande Senhor (nome e títulos do Deus de sua escolha), apresento esta que será minha varinha mágica, por favor coloquem nela parte de seu poder para fortalecer minha magia e me trazer crescimento pessoal e espiritual.”

Visualize a Deusa e o Deus diante de você, cada um estendendo a mão para a sua varinha, veja a energia deles entrando em sua varinha pela base, inundando-a com o poder divino.

Feche seus olhos e visualize a criatura mística ou espírito animal diante de você. Explique que você deseja que sua varinha seja imbuída com a essência dele ou dela. Por exemplo, vamos supor que você queira uma escama de dragão como núcleo de sua varinha. Neste momento você vai visualizar o dragão à sua frente e vai pedir para que ele ou ela coloque sua essência em sua varinha. O Dragão então vai apanhar uma escama (eles trocam sempre de escamas então possuem algumas à disposição) e vai retirar uma pequena lasca da escama. A lasca, uma vez retirada, forma uma linda espiral iridescente. Essa pequena espiral vai chegar e entrar pela base da varinha, instalando-se em meio à madeira. O mesmo vale se você estiver colocando a essência de algum espírito animal na varinha, por exemplo, uma pena de Corvo ou de Coruja, um pedaço de pele de Serpente, pelo de Pantera ou Leão.

Quando o núcleo se instalar em sua varinha você vai sentir que ela vibra ou fica quente, este é um sinal de que agora sua varinha possui parte da essência de uma criatura mística ou espírito animal.

Segure sua varinha de forma que a ponta esteja na palma de sua mão esquerda e a  base na palma de sua mão direita e diga: “A Deusa e o Deus criaram o material do qual você é feita, mas eu fiz de você uma varinha mágica. E agora te dou vida.”

Sopre três vezes sua varinha, girando-a entre suas mãos para que seu sopro alcance cada parte dela. Veja seu sopro imbuir sua varinha com sua energia e através de você, com energia vital. Sinta que agora a varinha é algo vivo e mágico, pulsando de poder. Então segure a varinha com sua mão de poder e toque a ponta em seu chakra do terceiro olho dizendo: “Espírito desta varinha, se for de sua vontade, revele-me agora seu nome mágico.”

Aguarde alguns instantes para ouvir o nome da varinha. Se você não receber um nome neste momento, pergunte à varinha se você pode dar um nome a ela. Quer você receba ou dê um nome para ela, segure-a como vai usar em seus trabalhos mágicos e diga: “Espírito desta varinha, pelo nome de (diga o nome) serás conhecida, neste e em todos os planos. De hoje em diante somos parte um do outro. Eu te recebo em minha vida como um instrumento mágico, receba-me como aquele que vai te empunhar para moldar minha vida e meu mundo. Que assim seja e que assim se faça.“

Agradeça à criatura mística ou espírito animal que você chamou, agradeça a presença da Deusa, do Deus e dos elementos, desfaça seu círculo e limpe tudo o que você usou.

Para manter sua varinha carregada de poder, convém realizar novas consagrações a cada solstício e a cada equinócio ou pelo menos, uma vez por ano, a cada Imbolc. Pronto, agora você tem uma varinha mágica que vai focalizar e ampliar seus poderes mágicos, trate-a sempre com respeito e consideração.

E se chegar o dia em que você não queria mais usá-la, devolva o núcleo à criatura ou animal de quem você o recebeu, devolva o poder dos deuses ou absorva para dentro de você, agradeça ao espírito da varinha e da madeira e entregue-a ao fogo ou em algum lugar da natureza.

Naelyan Wyvern
Elder da Tradição Caminhos das Sombras
Suma Sacerdotisa Wanen

sábado, 7 de setembro de 2013

Vc sabe untar sua vela?



O SENTIDO DA UNÇÃO
Quando adquirimos uma vela, ela está impregnada com a energia de outras pessoas, desde sua confecção até a revenda.
E o melhor que devemos fazer então, é energizá-las com as nossas energias e desejos.
Para isso basta untar a vela com o óleo ou essência relacionada ao desejo, e enquanto desliza os dedos ou as mãos pela vela, mentalize um arco-íris bem brilhante.
Unta-se a vela do pavio para a base quando queremos adquirir algo.
Unta-se a vela da base para o pavio quando queremos banir
algo.


Para untar basta pingar umas gotas da essência ou óleo na mão projetiva e girar a vela em sentido espiral.
Depois de untar a vela, você pode girar a vela nas ervas e
também fazer símbolos mágicos relacionados ao seu desejo.
Ou simplesmente unte a vela pedindo paz e harmonia, isto basta para estabilizar suas energias favoráveis e repassar para sua vida.
Nunca acenda uma vela em vão, sempre destine sua luz, mesmo que somente ao seu guardião.


Fonte: Autoria desconhecida